O duelo entre River Plate e Boca Juniors que foi adiado do sábado para esse domingo - em virtude do ato de vandalismo por parte dos torcedores do River na chegada da delegação do Boca ao estádio Monumental de Núñez, foi mais uma vez adiado.

A Conmebol acatou um pedido formal enviado pelos "Xeneizes" a entidade máxima do futebol solicitando a essa, uma nova data para a grande decisão da Taça Libertadores da América - data esta que deverá ser anunciada nesta próxima terça-feira, após reunião marcada entre os dirigentes das duas equipes argentinas e o presidente da Conmebol, na sede da entidade, em Luque, no Paraguai, marcada para as 11h (horário de Brasília).

Com a aproximação do Mundial de Clubes a ser disputado nos Emirados Árabes Unidos, em dezembro, o campeão sul-americano terá que ser conhecido antes do dia 18 do próximo mês (data da estreia do time campeão da Libertadores no Mundial de Clubes - na fase semifinal).

Mas em virtude de um calendário apertado por parte da Conmebol, a grande decisão está severamente ameaçada, visto que o governo argentino por razões de segurança pública pediu para que a final não seja marcada para essa semana (o pedido é em virtude da reunião da cúpula do G-20 que acontecerá em Buenos Aires entre os dias 30 de novembro a 1º de dezembro).

Já o presidente da Conmebol - Alejandro Domínguez, falou a canal de TV "Fox Sports", da Argentina, que a decisão de não realizar a final da Libertadores neste último domingo foi em virtude da desigualdade entre as duas equipes e o mesmo garantiu que a partida será realizada.

"Não havia condições esportivas. Não queremos que haja desigualdade esportiva. Nós queremos um bom espetáculo esportivo, sem desigualdade e que não haja mais desculpas", afirmou ele.

Para completar, Domínguez ainda declarou que a final da Libertadores não está suspensa, mas sim "adiada".

"Estamos aqui adiando a decisão e não suspendendo. Em conjunto com os presidentes dos clubes, iremos remarcar o confronto. Iremos buscar uma data adequada para a partida ser disputada", completou o presidente da Conmebol.

A Conmebol desmente informações repassadas pela imprensa argentina, que chegaram afirmar que a final da Libertadores poderia ser remarcada para os Emirados Árabes - a entidade afirma que a final será na Argentina e o palco da grande decisão será o Monumental de Núñez.