Sem clube ainda desde que foi dispensado do Corinthians, o volante Ralf resolveu abrir o "verbo" em relação a esse assunto e em entrevista exclusiva falou ao "globoesporte.com", nesta última quinta-feira.

Afastado do Corinthians desde o início da temporada pelo técnico Tiago Nunes, o jogador de 35 anos falou sobre o episódio que culminou no fim de sua segunda passagem pelo "Timão"; algo que ainda está "entalado" em sua garganta.

Com 437 partidas disputadas pelo clube paulista, onde marcou 10 gols nessas duas passagens e conquistou 8 títulos - Ralf é um dos grandes nomes na história recente do Corinthians, tendo inclusive superado os números de Marcelinho Carioca, ocupando hoje o posto de 14ª jogador com mais jogos disputados na história do clube. Porém, Ralf acredita que não foi tratado com o carinho merecido.

Ralf - ex-jogador do Corinthians.
Ralf - ex-jogador do Corinthians.

"Dia 5 de janeiro recebi uma ligação do gerente de futebol Vilson Menezes e ouvi dele que não precisava me reapresentar das férias no dia seguinte (segunda-feira), uma vez que estava fora dos planos de Tiago Nunes. Desliguei e fiquei pensando. Chateado e pensando. Não me preparei, não me prepararam. Se me avisam um mês antes... O treinador já estava há dois meses acertado com o clube e sabia com quem poderia contar. Podia ter me dito que não iria contar comigo. Mas assim? Não me deram oportunidade de nada; ele não me conhece. Mas respeito sua decisão. Não que contar comigo? Beleza. Mas eu tenho uma história no clube, não é assim. A gente entende a filosofia de trabalho, mas não era para me tratar como se eu fosse um qualquer um", revelou o atleta.

Por outro lado, a direção do Corinthians diz ter avisado o volante, ainda em novembro. André Costa e Alisson Garcia - representantes do jogador acreditavam que ele poderia reverter à situação durante os treinos e com isso não avisaram Ralf sobre a manifestação inicial da direção.

"Ele foi comunicado (o agente), mas a mim não foi passado nada; me pegou de surpresa. O que falaram era que o treinador tinha a filosofia dele e que o Ralf estava fora dos planos. Mas não foi falado para mim diretamente. Uma coisa é falar para meu representantes, outra é falar para o profissional, que no caso sou eu", comentou.

Fora do clube de seu "coração", Ralf que desde a sua dispensa não pisou mais no Corinthians e com isso não descarta jogar pelo São Paulo, por Palmeiras ou Santos.

"Todo mundo sabe da minha gratidão pelo Corinthians. Esse clube é minha vida, mas hoje sou profissional, estou aberto ao que aparecer, independentemente de ser rival ou não. Não tenho rótulo de exclusividade. Só penso na minha carreira. Tenho tido consultas, estou aberto a tudo o que vier e não teria problema algum", finalizou.