Futuro de Robinho será julgado nesta quinta-feira. Condenado em primeira instância a nove anos de prisão pela justiça italiana, em 2017 por estupro coletivo, Robinho retornará ao banco dos réus nesta quinta-feira, 10 de dezembro de 2020.

No julgamento que correrá em segunda instância, marcado para iniciar às 8h da manhã (de Brasília), o Tribunal de Apelação de Milão irá analisar o recurso apresentado pelos advogados de defesa do jogador e também de seu amigo - Ricardo Falco. Sem terem as presenças garantidas na sessão, a decisão do júri poderá ser dada ainda nesta quinta-feira.

Nesta sessão, o procurador encarregado para a fase de apelação irá encaminhar ao Tribunal suas conclusões finais sobre o caso, que será analisado por três Juízes - como é normalmente no judiciário italiano. Nesta análise, eles decidirão se aceitam ou não os argumentos apresentados pela defesa de Robinho e de seu amigo aqui já citado.

Entenda o caso

Segundo as investigações, Robinho e mais cinco amigos teriam estuprado uma jovem albanesa em um camarim da boate em Milão; a Sio Café, onde ela então comemorava seu aniversário. O caso ocorreu no dia 22 de janeiro de 2013, quando o atacante defendia o Milan. Sua condenação em primeira instância saiu em dezembro de 2017.

Para os advogados do atleta, Robinho é inocente no caso, alegando "equívocos na interpretação" com relação às conversas interceptadas com autorização da justiça italiana, onde esses alegam que alguns diálogos não teriam sido traduzidos corretamente para o idioma italiano.

Possíveis penas

Segundo as estatísticas, essas não são favoráveis ao brasileiro, uma vez que os históricos de sentenças em segunda instância no Tribunal de Milão, geralmente apontam para a confirmação da pena. Números apresentam que julgamentos entre os anos de 2011 a 2019, aproximadamente 7,5% das condenações foram convertidas em absolvição. Já 44,3% foram mantidas e 48% dos casos onde foram julgados inocentes em primeira instância, na segunda foram julgados culpados.

Futuro de Robinho

Mesmo se for condenado em segunda instância, Robinho seguirá em liberdades, até porque caberá recursos dessa decisão de quinta-feira, e um novo julgamento em terceiro grau levará mais alguns meses. Desta forma, Robinho tem a presunção de inocência assegurada até o trânsito e julgado do processo.