Mais um jogador do Grêmio está muito próximo de deixar o clube nesta janela de transferências. Depois de Everton ser fortemente especulado em uma possível negociação com o Benfica, outra joia do clube gaúcho está encaminhando sua ida ao futebol europeu, mas esta sem sequer atuar no time profissional: Trata-se do meia Diego Rosa.

Um dos principais nomes do time que foi vice-campeão da Copa São Paulo de Futebol Jr, no início de 2020, Diego Rosa ganhou grande notoriedade na seleção brasileira sub-17, que foi campeã mundial da categoria, em torneio disputado no Brasil. Seu excelente desempenho chamou a atenção de alguns clubes do futebol europeu, como a Juventus, e mais recentemente, o Manchester City.

E, o clube inglês, de fato, deve contratar a joia gremista. Nas últimas semanas, dirigentes do clube inglês entraram em contato com o empresário do atleta e com a diretoria tricolor para saber das possibilidades de uma negociação, e após o Grêmio recusar a primeira proposta, o Manchester City não desistiu, e agora, a negociação de fato deve se confirmar.

Diego Rosa deve ser negociado com o Manchester City, da Inglaterra. (Foto:Divulgação)
Diego Rosa deve ser negociado com o Manchester City, da Inglaterra. (Foto:Divulgação)

Os valores da negociação seriam os seguintes: 5 milhões de euros (cerca de R$29,5 milhões) pela compra de 55% dos direitos econômicos do jogador (Grêmio possui 70%, ou seja, fica com 15% para uma negociação futura). Além disso, outros 19 milhões de euros serão pagos de acordo com o cumprimento de metas no Manchester City, como número de gols e títulos, além de porcentagem de jogos e outras metas.

Vale lembrar que, anteriormente, o Grêmio tinha 50% dos direitos do jogador, mas conforme estabelecido em contrato com o Vitória, seu clube formador, o clube gaúcho poderia adquirir mais 20% caso depositasse uma quantia financeira.

Diego Rosa tem contrato vigente até o meio de 2022, e uma das situações que facilitaram para o time gaúcho aceitar a negociação foi o impasse em sua renovação de contrato, após desacordo nas questões financeiras.