Após o empate sem gols no primeiro clássico Gre-Nal da história da Copa Libertadores da América, o assunto menos tratado na entrevista coletiva do técnico Renato Portaluppi foi o que aconteceu dentro de campo. As perguntas e respostas foram unicamente pautadas pela confusão generalizada e as oito expulsões nos minutos finais nos últimos minutos do grande duelo.

A briga começou após uma dividida entre Moisés e Pepê. Daí até o fim da confusão foram 10 minutos de pancadaria, e o resultado foram oito expulsões, sendo quatro para cada time. Renato classificou o episódio como vergonhoso:

"É vergonhoso. Para o Grêmio e para o Internacional. Vergonhoso porque são profissionais e colegas de profissão. Tem outros Gre-Nais, espero que não se repita. Senão, é bola de neve. Eles (jogadores) sabem que erraram, como nós sabemos." disse.

Renato Portaluppi precisou intervir na confusão do Gre-Nal. (Foto:Eduardo Moura/ Globoesporte.com)
Renato Portaluppi precisou intervir na confusão do Gre-Nal. (Foto:Eduardo Moura/ Globoesporte.com)

Em um certo momento da confusão, o próprio técnico entrou em campo para intervir e tirar seus jogadores. Entretanto, o técnico citou o sangue quente dos jogadores para justificar a briga:

"Não sei de que forma vão entender, mas sou contra a violência. O meu time não podia apanhar, tinha que se defender. Teve tumulto, já que está tendo, não vamos apanhar. Nem jogadores do Inter vão ficar para apanhar. Não é a primeira nem a última. Manchou a partida." acrescentou.

Renato e seu grupo de jogadores retornam aos trabalhos nesta sexta-feira, no CT Luiz Carvalho. Com os jogos da Libertadores da próxima semana suspensos, o Tricolor foca no jogo do próximo domingo, pelo Gauchão, diante do São Luiz. A partida pelo segundo turno está marcada para as 11h, na Arena.