O Tricolor Gaúcho iniciará nesta terça-feira sua caminhada em busca do "Mundial de Clubes FIFA" - a partida de estreia do Grêmio no mundial dos Emirados Árabes Unidos será contra o time mexicano do Pachuca, no estádio Hazza bin Zayed, em Al Ain, pelas semifinais da competição, as 15h (de Brasília).

A comissão técnica tricolor, bem como os jogadores e direção, todos eles estão tomando o maior cuidado para esse primeiro confronto, tanto que ninguém menciona o Real Madrid, possível adversário na final - lembrando os últimos acontecimentos, uma vez que no último ano, o time colombiano do Atlético Nacional, foi eliminado nessa fase pelo clube japonês Kashima Antlers; além desse, Internacional - maior rival do Grêmio e Atlético Mineiro, também sofreram nessa fase do mundial ao serem derrotados para times africanos em 2010 e 2013, respectivamente. Portanto, todo cuidado é pouco.

Renato bem descontraído durante um dos treinos do Grêmio em solo Árabe.

Em sua última entrevista coletiva nesta segunda-feira, Renato Gaúcho - treinador do Grêmio, mais uma vez lembro que para chegar a uma final, é preciso passar pela semifinal, fazendo referência aos últimos tropeços dos times sul-americanos.

"Para chegar à final, é preciso antes passar pela semifinal. De nada adianta aqui ficarmos falando do Real Madrid, se temos o Pachuca pela frente. Até porque ninguém sabe se eles estarão na final também. Nosso objetivo primeiro é o Pachuca, é esse o adversário que assistirmos todo o grupo, então estamos preparados para jogar esta semifinal", destacou o treinador Tricolor.

Grêmio no Mundial de Clubes.

Mesmo sabendo que o Pachuca virá cansado para a partida de logo mais à tarde, pois jogou 120 minutos na fase anterior para se classificar no último sábado contra o Wydad Casablanca; a comissão técnica do Grêmio mesmo com o time não fazendo uma partida oficial a mais de 14 dias, acredita que o time está pronto para o confronto.

Um dos líderes do Grêmio em campo, o zagueiro Walter Kannemann, que possui experiência no futebol mexicano, pois atuou no Atlas, de Guadalajara, entre 2014 a 2016, acredita que mesmo o Pachuca vindo de uma decisão de 120 minutos, o Grêmio encontrará sim dificuldades pela frente e, portanto o tricolor precisará encarar a partida como uma final.

"O Pachuca é um time bem estruturados, muito bom. Já joguei no México e sei o que eles podem fazer. Serão adversários bem complicados para nós. Assistimos à partida deles no último sábado e foi bem intenso", frisou o zagueiro gremista.

Diferentemente do tom da comissão técnica, jogadores e direção, a torcida gremista está confiante e acredita muito que o Grêmio estará na final jogando contra o "todo poderoso" Real Madrid e ainda assim levantar o caneco do Mundial de Clubes no próximo dia 16 de dezembro.