Negociado na metade de 2018, o jovem meia Arthur continua rendendo frutos ao Grêmio. Mesmo há quase um ano sem atuar pelo clube, o jogador pode ajudar seu clube formador na área financeira. 

 O volante foi vendido ao Barcelona em junho de 2018 por € 31 milhões (R$ 140,7 milhões). Uma das cláusulas previstas no contrato prevê bônus ao clube gaúcho de até € 9 milhões caso o volante alcance algumas metas. E o título espanhol de sábado deve gerar lucro de mais € 1 milhão (R$ 4,3 milhões).

Pela negociação, a compra do volante recheou o cofre do time brasileiro em € 4 milhões (R$ 16 milhões, na cotação da época), pagos pelo Barcelona no momento da assinatura da opção de compra. Após, foram depositados mais € 26 milhões (R$ 119,7 milhões ).

Arthur foi a venda mais cara da história do Grêmio, e criou um certo conforto para os cofres gremistas. Atualmente, a venda do jogador fez com que o Grêmio estabilizasse suas dívidas e conseguisse, no ano de 2018, o maior crescimento econômico da história do clube, com cerca de 391%.

O contrato feito entre os dois clubes prevê bônus que pode atingir € 9 milhões (R$ 41,2 milhões), dependendo do rendimento do volante na Espanha. Um dos pontos acordados é a participação dos gaúchos no Troféu Joan Gamper, partida amistosa organizada pelo Barcelona, no Camp Nou, antes do início da temporada europeia. No entanto, o Grêmio ainda não decidiu pela participação devido ao calendário cheio em 2019.

Arthur se despediu do Tricolor gaúcho após defender o clube em 70 jogos, com seis gols marcados. No Barça, o volante já atuou 41 vezes e ainda não balançou as redes.