O Grêmio não aceita a derrota diante do River Plate nesta última terça-feira pelas semifinais da Libertadores e vai até a Conmebol tentar reverter o resultado da partida baseado em um descumprimento do treinador argentino - Marcelo Gallardo, que estava suspenso da partida e consequentemente não poderia passar ordens aos seus auxiliares e muito menos se encontrar com seus atletas no intervalo da partida, descumpriu com todas elas.

Durante sua coletiva pós-jogo, o presidente gremista - Romildo Bolzan Junior falou sobre o descumprimento de Gallardo - afrontando as ordens da Conmebol.

"O River Plate cometeu uma irregularidade que está prevista no regulamento. A incompetência da arbitragem, ao não revisar o gol marcado por Borré é uma coisa, agora a afronta do técnico argentino é objetiva, é fato e admitido por ele mesmo publicamente", declarou o mandatário do Tricolor Gaúcho.

Se não bastasse o descumprimento da regra, Marcelo Gallardo ainda deu entrevista ao final do confronto entre argentinos e brasileiros na Arena do Grêmio - algo que segundo a punição imposta a ele, também era proibida.

Em relação a essa última infração do técnico do River, Nestor Hein - vice-jurídico do clube brasileiro foi quem falou a respeito.

"Teve sim interferência externa de uma pessoa que estava impedida de participar do jogo. E depois, ainda veio às rádios se vangloriar de seus atos. Vamos sim pedir a perca dos pontos por parte do River no confronto desta noite", disse ele.

Alheios as reclamações gremistas e em quanto a Conmebol não toma uma decisão a respeito, o time argentino agora aguarda o confronto desta quarta-feira para conhecer seu adversário na grande final da Libertadores-2018 - Palmeiras e Boca Juniors decidem nesta noite em São Paulo, às 21h45 quem estará na decisão diante do River Plate. No jogo de ida deu "Boca" por 2 a 0.