A direção do Grêmio pegou muitos torcedores gremistas de surpresa neste final de semana ao anunciar a demissão de dois médicos do tricolor, entre eles Márcio Bolzoni, que estava a anos no departamento médico do clube. Além de Bolzoni, Felipe do Canto também foi desligado de suas funções no Grêmio.

A alegação da direção para as demissões foram em relação às últimas lesões de Jael e André. O primeiro incomodou muito a comissão técnica, que solicitou urgência em seu tratamento, mas devido a compromissos particulares de Márcio Bolzoni só ocorreram alguns dias depois, sob o cuidado de Felipe do Canto.

Já em relação a André, o problema se deu sob a liberação antecipada do atacante para o clássico Grenal. André antes do clássico relatou dores, mas mesmo assim foi autorizado pelos médicos a treinar normalmente e a jogar a partida. O atacante teve seu problema agravado na panturrilha direita.

Em relação às duas demissões no departamento médico, a direção do Grêmio declarou que só irá comentar sobre o caso após a partida diante do Atlético Tucumán - válida pelas quartas de final da Libertadores. A mesma não quer tirar o foco do confronto de ida pela fase de mata-mata da maior competição Sul-Americana, nesta terça-feira, no interior da Argentina.

Há quem diga nos bastidores da Arena que as demissões dos dois médicos têm haver com um pedido do próprio treinador do clube - Renato Gaúcho, que não gostou nada da liberação de André sem esse estar apto para atuar no Grenal e pela demora na decisão do procedimento cirúrgico em Jael.