Mesmo com a negociação em andamento com o Tijuana, a cláusula obrigatória de compra prevista em contrato não será ativada, mas o clube mexicano possui o interesse em permanecer com o jogador em seu elenco e as negociações que já se iniciaram, devem ter um desfecho nos próximos dias.

Com uma primeira oferta rejeitada pela cúpula gremista, Tijuana e Grêmio seguem as negociações - a mesma está a cargo do diretor executivo André Zanotta, que está cuidando de tudo. O Grêmio deseja receber US$ 5 milhões pelo passe do meia-atacante equatoriano. Em nota, o vice de futebol do clube gaúcho - Duda Kroeff confirmou as negociações e acredita em um final feliz para todos os lados.

- Entenda como funciona cláusula obrigatória de compra prevista em contrato de empréstimo de Bolaños junto ao Tijuana:

De acordo com o contrato, o clube mexicano teria a obrigação de comprar o meia-atacante caso esse entrasse em campo em 30 partidas na "Liga Mexicana", porém, o jogador disputou apenas 28 jogos, uma vez que o time foi eliminado da competição - eliminação essa que impediu Bolaños de chegar ao número de partidas estipulada em contrato, mesmo assim, o clube do México tem o interesse em ficar com o jogador, por outro lado, o Grêmio deseja vendê-lo e por isso seguem as conversas entre as partes.

O Grêmio pede ao Tijuana o mesmo valor que gastou quando contratou o equatoriano junto ao Emelec, em 2016, porém, os mexicanos tentam reduzir essa pedida e por isso que a negociação ainda não foi confirmada e as tratativas seguirão, até as partes chegarem a um denominador comum - esse desfecho deve acontecer até o final da próxima semana, segundo a direção tricolor. Além da venda, o Grêmio caso consiga fechar o negócio, precisará acertar a parte destinada ao Emelec, visto que o clube do Equador detém 30% dos direitos econômicos do atleta.