O que os torcedores gremistas temiam, está próximo de ser oficializado. Após reunião na manhã desta quarta-feira entre os representantes do jogador e membros dos clubes, Grêmio e Porto chegaram a um denominador comum para a transferência do atacante Pepê à equipe portuguesa.

Como é de praxe por parte da direção gremista, o clube não irá falar a respeito do tema, confirmando o acordo com o Porto, porém, conforme informação trazida inicialmente pelo jornal A Bola, de Portugal, e confirmada pela reportagem, já existe um molde de negócio em comum entre os clubes, bem como os valores.

Saiba os valores finais da venda de Pepê

O acordo firmado entre Grêmio e Porto prevê o pagamento, de maneira parcelada, de 15 milhões de euros. A quitação do negócio acontecerá ainda em 2021, através de três parcelas previstas para julho, agosto e setembro.

Além do valor inicial de 15 milhões de euros, o Grêmio ainda permanecerá com uma porcentagem de venda futura do atacante. A direção gremista exigia permanecer com 20%, porém, como o Porto não cedeu na negociação, ficou acordado que 12,5% da chamada "plus-valia" ficará com o Tricolor Gaúcho.

Para entender o gatilho, fazendo uma linha de raciocínio, como Pepê está sendo vendido por 15 milhões de euros, se o Porto vender o atacante por, exemplificando, 45 milhões de euros, o Grêmio terá direito a 12,5% de 30 milhões.

Grêmio não ficará com a totalidade do valor

Dos 15 milhões de euros que o Porto pagará por Pepê, apenas 70% da quantia ficará para os cofres gremistas. Os 30% restantes serão direcionados ao Foz do Iguaçu, clube paranaense que revelou Pepê. Realizando a conversão, R$ 68 milhões líquidos ficarão ao Grêmio. O valor restante irá ao time do Paraná.