O ex-craque da seleção francesa e ex-presidente da UEFA - Michel Platini foi preso nesta manhã de terça-feira, em Paris, sob suspeita de corrupção envolvendo a Copa do Mundo do Catar.

O ex-dirigente da UEFA de 63 anos era um dos investigados em operações que averiguam possíveis irregularidades na escolha do Catar como sede da próxima edição da Copa do Mundo da FIFA e com isso ele foi levado "preso" para depor a respeito do assunto. As informações aqui repassadas foram primeiramente publicadas pelo site "MediaPart".

Além de Platini, Sophie Dion - ex-conselheira do ex-presidente Nicolas Sarkozy e o antigo secretário geral do governo francês - Claude Gueant também foram levados sob custódia por suspeita de atos ativos e passivos de suborno.

A investigação sobre corrupção e conspiração criminal na escolha do Catar com sede da próxima Copa do Mundo da FIFA, foi aberta pela Promotoria Financeira Nacional da França, ainda em 2016; já em dezembro de 2017, Platini havia sido ouvido como "testemunha" onde o mesmo admitiu que votou no Catar em dezembro de 2010, quando o país em questão foi apontado como a provável sede do Campeonato Mundial de Seleções.

Michel Platini foi presidente da entidade máxima do futebol na Europa - também conhecida por UEFA entre os anos de 2007 a 2015, quando foi excluído do futebol por oito anos após ser considerado culpado por ter recebido pagamentos ilícitos do ex-presidente da FIFA - Joseph Blatter. Com recursos impetrados pelos advogados do ex-jogador francês na Corte Arbitral do Esporte - CAS, a pena foi reduzida para quatro anos, devendo se encerrar em outubro deste ano.