Caso Victor Ramos: MPRJ abre denúncia contra empresário do jogador por falsificação

A novela Victor Ramos terá mais um capítulo nos tribunais.

Por
Compartilhe

O Ministério Público do Rio de Janeiro – MPRJ apresentou na última quarta-feira, denúncia contra o empresário Francisco José de Godoy Antunes Ferreira, representante do jogador Victor Ramos, por falsificação de e-mails e documentos relacionados à transferência do atleta. Os promotores querem a condenação do empresário por crime de falsificação de documentos, com previsão de pena de reclusão de um a cinco anos, além de pagamento de multa, conforme o artigo 298 do Código Penal.

De acordo com a denúncia, Godoy teve acesso e adulterou e-mails sobre o prazo da janela de transferência do jogador em âmbito internacional, trocado entre o departamento de futebol do Vitória e o setor de registro de atletas da Confederação Brasileira de Futebol – CBF.

Victor Ramos defendeu as cores da Chapecoense em 2017Victor Ramos defendeu as cores da Chapecoense em 2017

Os documentos então foram enviados pelo empresário para Antonio Gutierrez, dirigente do Club Monterrey, do México, que era dono dos direitos federativos de Victor Ramos - vale lembrar que os e-mails foram usados pelo Internacional como supostas provas de possível escalação irregular do atleta pelo Vitória na última rodada do Campeonato Brasileiro da Série A, do ano passado. 

Em defesa, o empresário alegou que realizou as alterações para resumir as informações e assim facilitar o entendimento, que jamais teve a intenção de alterar o contesto do documento e que seu objetivo foi o de regularizar a situação do atleta, sendo que ninguém solicitou as mudanças.

A CBF, entretanto, acionou o Supremo Tribunal de Justiça Desportiva – STJD a respeito da adulteração das mensagens e solicitou que a falsificação fosse investigada, assim sendo, o STJD acionou o MPRJ, que encontrou evidências do crime e denunciou Francisco Godoy. Além da denuncia, o MPRJ também está pedindo a abertura de inquérito policial para investigação da participação de outros suspeitos.

Mais sobre: victor ramos stjd cbf
Comentários