Ferrari só voltará a vencer e ser competitiva na Fórmula 1, em 2022, diz o presidente da escuderia italiana. Para John Elkann, a equipe em 2020 passará por uma forte reformulação e em 2021 será o ano da volta ao crescimento, mas vitórias e competitividade deverão ocorrer somente na temporada 2022.

"Hoje estamos lançando as bases para sermos competitivos e voltarmos a vencer quando as regras da Fórmula 1 mudarem, em 2022. Estou convencido disso", declarou ele em entrevista a emissora BBC.

Tais regras mencionadas pelo chefão da Ferrari querem dizer com a decisão das equipes em correrem com os mesmo carros desta temporada em 2021. Na atual temporada, a equipe italiana vive um de seus piores momentos na categoria, com seus carros em desvantagem em relação à velocidade dos demais competidores.

As Ferraris de 2020 são cerca de 1 segundo mais lentas que os carros da Mercedes, por exemplo - tempo esse crucial na F1. Para o presidente da escuderia, o grande culpado disso tudo é a aerodinâmica de seus veículos.

Ferraris 2020 - imagem: arquivo
Ferraris 2020 - imagem: arquivo

"Tivemos uma série de fragilidade estrutural que existe já há algum tempo na aerodinâmica e dinâmica de nossos carros. Também perdemos a potência do motor", revelou ele.

Além desse comentário, Elkann ainda comentou sobre o fato de ter que competir com o mesmo motor em 2021 - motivo esse pelo qual ele descarta a Ferrari brigar por vitórias e título na próxima temporada.

"A realidade é que nosso carro não é competitivo. Você verá na pista e o verá novamente".

A Ferrari na atual temporada tem em seu melhor piloto, o "monesco" Charles Leclerc, que ocupa a modesta sétima colocação na tabela de classificação de pilotos, com 45 pontos a menos que o líder - Lewis Hamilton - da Mercedes.

Com relação à temporada 2020 da Fórmula 1, a mesma retorna as pistas neste final de semana, com o GP de Silverstone, na Inglaterra, no próximo domingo, às 10h10 da manhã (horário de Brasília).