Vamos lembrar que recentemente a Fórmula já liberou o calendário revisado e definiu os oito primeiros Grandes Prêmios da temporada 2020 - que serão todos eles realizados na Europa. Os mesmos serão disputados em um curto espaço de tempo, ou seja, dois meses, começando no dia 05 de julho e para tanto a categoria liberou a partir desta semana a volta das equipes aos testes, para que estejam prontos para quando forem iniciar a disputa deste ano.

A Fórmula 1 em 2020 iniciará na Áustria, com os dois primeiros grandes prêmios da categoria, nos dias 5 e 12 de julho, seguindo para a Hungria, Inglaterra, Espanha, Bélgica e Itália - que fecha esse primeiro ciclo da F1 em Monza, no dia 6 de setembro.

Cogitando novas corridas no "Velho Continente", os organizadores da F1 não escondem que poderão trazer de volta circuitos que há muito tempo não fazem mais parte do calendário e até mesmo um circuito inédito.

Ross Brawn - diretor-esportivo da Fórmula 1 disse nesta semana em entrevista que a categoria não quer ficar somente na Europa e tem sim como ideia levar a categoria para outros países e outros continentes, como os continentes asiáticos e americanos, lembrando que os GPs de Singapura (20 de setembro), Japão (11 de outubro) Estados Unidos (25 de outubro), México (1º de novembro), Brasil (15 de novembro) e Abu Dhabi (29 de novembro), seguem o cronograma original.

"Todas essas corridas podem ser feitas num espaço relativamente curto, porque você não terá a presença do público, você não precisa vender ingressos, você não tem toda essa complicação envolvida. E quando você está negociando com um circuito permanente, claro que é relativamente fácil levar isso adiante", declarou Brawn com relação aos grandes prêmios que deverão ser realizado especialmente na Europa.