Vivendo um momento bastante complicado devido à pandemia que tomou conta do nosso planeta, os administradores e organizadores da Fórmula 1 seguem quebrando suas cabeças para organizar o calendário em 2020.

Até o momento, oito das 21 corridas programadas para esse ano já foram afetadas pelo Coronavírus - sendo duas delas já desmarcadas. A temporada 2020 da F1 deverá ter seu início somente em junho, onde ainda deverá ter mais algumas alterações pela frente em sua agenda, com várias reuniões sobre acordos para compensar as perdas pelos cancelamentos.

A atual preocupação da categoria é resolver algumas "encrencas" com os organizadores dos GPs locais e algumas insatisfações das equipes. Lembrando sempre que cada etapa paga em média cerca de R$ 160 milhões por ano a Fórmula 1 como taxa de promoção - valor esse que não é recebido em caso de cancelamento.

Além disso, a retirada de alguns grandes prêmios do atual calendário também impacta na perca de campanhas com patrocinadores e premiações por parte das escuderias. A categoria aqui em questão tem tomado todas as medidas com cuidado para anunciar as alterações no calendário, preferindo tratar das provas como adiadas e não canceladas - assim tenta evitar problemas contratuais com patrocinadores e bilheterias.

Fórmula 1 2020.
Fórmula 1 2020.

Sobre esse assunto de "cancelamento" de corridas, a chefe de equipe da Williams - Claire Williams declarou o seguinte:

"Precisamos conversar com a Fórmula 1 sobre o seguro das corridas canceladas", lembrando que até agora a corrida da Austrália foi "adiada" e por esse motivo os organizadores terão que resolver questões como os de bilheteria, que já haviam sido vendidos.

Outro GP que corre o sério risco de ser "adiado" ou "cancelado" é o de Monza - na Itália. O circuito fica bem ao norte da Itália, na região mais atingida pelo "COVID-19". A Fórmula 1 em 2020 deverá se estender até o fim de dezembro por causa deste sério problema de saúde mundial.