Nesta tarde da última segunda-feira, também conhecida como "ontem", os organizadores da Fórmula 1 divulgaram uma nota informando a imprensa sobre seus planos de iniciar a temporada 2020 somente quando a situação do Coronavírus estiver "resolvida", assim sendo, aproveitando o verão no hemisfério norte e pegando consequentemente o verão a seguir no hemisfério sul.

A nota em questão foi assinada pelo diretor-executivo - Chase Carey e nesta mesma ele fala sobre como conduzir a categoria, que terá em 2020 como meta entre 15 a 18 grandes prêmios. Com isso, segundo ele, o calendário atual que já teve diversas corridas adiadas para o calendário proposto, não contará com quatro GPs - entre eles o GP de Mônaco que deverá ficar de fora desta edição.

Com a nova proposta apresentada pela organização da F1, ainda coloca em dúvida a realização do GP do Canadá, que ainda não teve seu grande prêmio adiado ou cancelado - o mesmo está marcado para o dia 14 de junho. Entre as corridas do atual calendário canceladas ou adiadas estão: Austrália, Bahrein, Vietnã, China, Holanda, Espanha, Mônaco e Azerbaijão.

Chase Carey - chefão da Fórmula 1.
Chase Carey - chefão da Fórmula 1.

Leia abaixo trechos da nota emitida por Chase Carey - chefão da Fórmula 1:

"Durante a última semana, a F1, as dez equipes e a F1 trabalharam juntas e tomaram atitudes decididas e rápidas para nossa resposta inicial em meio ao surto do Coronavírus. Enquanto hoje ninguém pode ter certeza de quando, exatamente, a situação vai melhorar, quando ela melhorar nós estaremos prontos para correr de novo. Estamos todos muito comprometidos em realizar a temporada 2020. Reconhecemos que ainda podem haver outros potenciais adiamentos nas etapas previstas, mas seguimos esperando começar o campeonato no verão, em algum momento dele, com um calendário revisado entre 15 a 18 corridas. Como já informamos anteriormente, iremos utilizar as férias de verão em março e abril, então poderemos correr durante o que seria o período de férias e também poderemos correr além do que seria originalmente a nossa última etapa, entre 27 a 29 de novembro, já que a sequência de corridas vai ser bem diferente da originalmente apresentada para o calendário de 2020. A F1, as equipes e a FIA estão trabalhando com nossos acionistas e queremos voltar para a pista assim que der, começando a temporada 2020. Vamos seguir os conselhos dos especialistas em saúde, nossa prioridade segue sendo a saúde dos fãs e da família da F1. Estamos confiantes de que vamos ter dias melhores pela frente e que todos que investem no esporte serão recompensados", disse ele em nota divulgada nesta última segunda-feira.