A Fórmula 1 toma novas medidas a cada dia para tentar se adaptar com o menor prejuízo possível à pandemia do novo Coronavírus. Após anunciar o adiantamento das férias de inverno, a FIA (Federação Internacional do Automobilismo) determinou o adiamento dos GPs da Holanda e da Espanha. O GP de Mônaco foi cancelado, e ficará de fora do calendário pela primeira vez desde 1954. Com isso, atualmente são sete etapas do campeonato que sofreram modificações em suas datas, afetadas pelo COVID-19.

A categoria, juntamente com a FIA, optou também por aprovar um calendário flexível e condensado, e as modificações no regulamento e nos carros, que estavam previstos para 2021, passou a ter sua atividade no ano de 2022. Isso porque, um calendário com menos corridas, significa menos verbas, e com isso, as questões orçamentárias podem dificultar e afetar o planejamento das equipes, seja para melhorias ou para investirem nos novos carros da modalidade. Sendo assim, as equipes utilizarão os em 2021 os carros do ano de 2020, e há a probabilidade do desenvolvimento das peças ser oficialmente "congelado".

A temporada de 2021 será realizada com as regras deste ano, mas o teto orçamentário de US$ 175 milhões (cerca de R$ 900 milhões) para as dez equipes entrará em vigor já no ano que vem. Entretanto, para passarem a valer, as mudanças precisam ser aprovadas pelo Conselho Mundial de Esportes a Motor (WMSC), mas, diante do atual cenário, a aprovação seria mera formalidade.

Confira o comunicado na íntegra:

"Por causa do contágio global do Covid-19 e após discussões com a FIA e os três promotores dos eventos, hoje foi confirmado que os GP's da Holanda, Espanha e Mônaco serão adiados.

A F1, FIA e os três promotores tomaram essa decisão para garantir a segurança e saúde dos profissionais das equipes, pilotos e fãs, algo que permanece como nossa prioridade.

F1 e FIA continuarão a trabalhar em conjunto com os promotores afetados e com as autoridades locais para monitora a situação com o tempo adequado para estudar datas alternativas para cada GP ao longo do ano, caso a situação melhore.

A F1 e a FIA esperam começar o campeonato de 2020 assim que for seguro para tal após maio, e seguirão monitorando a situação do Covid-19".