Após iniciar a temporada 2021 visivelmente com um carro inferior a RBR, a Mercedes acredita ter um enorme desafio em mão neste ano: saber equilibrar os esforços entre desenvolver o carro deste ano e projetar o modelo de 2022, quando a categoria passará por uma enorme mudança em seu regulamento.

"Esse ano o maior desafio será o de equilibrar os recursos que estão indo para o carro de 2021 e o de 2022. É claro que você não pode deixar o de 2021 de lado. Mas, da mesma forma, os regulamentos de 2022 irão vigorar por anos. Uma vez que você começa com um déficit, é muito complicado alcançá-lo. Portanto, vai demorar um pouco para o desempenho convergir. Nesse sentido, são decisões complicadas que avaliamos regularmente", declarou o chefão da escuderia alemã - Toto Wolff.

Novos regulamentos em 2022

De acordo com o Grupo de Trabalho da F1, esse mesmo revelou que uma das grandes novidades do regulamento técnico a vigorar a partir de 2022, será a volta do conceito de efeito-solo, ou seja, no qual a maior parte da aerodinâmica é gerada pelo assoalho, e não pelas asas e demais complementos. Nos tempos de hoje, estima-se que os carros percam entre 40% a 50% da pressão aerodinâmica quando estão próximo a outro nas curvas, e com a nova medida isso deve mudar, passando para algo em torno de 5% a 10%. Alé dessa alteração no regulamento há também dos pneus, que serão de "aro 18", para que assim não sofram uma degradação tão acentuada e que permitam constantes disputas em toda prova; entre outros, claro.