Novo capítulo na negociação de contrato entre Lewis Hamilton e Mercedes. De acordo com a reportagem do jornal holandês "De Telegraaf", a equipe alemã estaria endurecendo as negociações para o lado do piloto inglês, onde a marca agora oferece apenas um ano de contrato ao heptacampeão mundial, que prefere um acordo por vários anos.

Vínculos anteriores com Lewis Hamilton

Vale lembrar que nos últimos anos a equipe em questão concordou com Hamilton, assinando com o piloto um contrato por várias temporadas, no entanto, neste ano a equipe parece que não irá aceitar muito as exigências do inglês, que poderá deixar a categoria caso não se acerte com a Mercedes.

Últimos contratos com a Mercedes

Desde que chegou a equipe em questão, em 2013, Hamilton precisou se preocupar com renovação de contrato em apenas dois momentos; antes desse: Em 2015, quando assinou novo acordo para três anos e em 2018, quando renovou com a Mercedes até o final da temporada 2020.

Principal motivo para o imbróglio

Segundo os jornais "Express e Corriere della Serra", o entrave entre Mercedes e Hamilton para a assinatura de um novo acordo se dá por questões financeiras, uma vez que o heptacampeão não abre mão de receber 40 milhões de euros - algo próximo a R$ 261,1 milhões por temporada.

No entanto, a Daimler - empresa mãe da Mercedes não concorda com esse valor pedido por Hamilton, visto que ela não deseja manter os custos elevados em tempos de incerteza econômica e de pandemia. A companhia alemã teria uma "carta na manga" em caso de não acerto com o inglês; o jovem piloto George Russel - atualmente na Williams e que impressionou no GP de Sakhir ao substituir o inglês naquela corrida.

Novidades no caso

Para completar, a Ineo - nova acionista da Mercedes entrou na parada, segundo o Corriere della Serra, se comprometendo bancar parte do salário de Hamilton, para evitar que o mesmo deixe a equipe. Porém, segundo o jornal holandês "De Telegraaf", a petroquímica não estaria disposta a arcar com altos valores por mais de uma temporada, o que poderá dificultar a negociação, que já se arrasta por pelo menos duas semanas.

As próximas semanas deverão ser decisivas nesta "novela", onde Toto Wolff - chefão da escuderia se diz tranquilo sobre a questão.

"Não me preocupa nem um pouco, porque sempre vou respeitar as decisões de Hamilton, seja para permanecer conosco ou seja para deixar o esporte e buscar interesses pessoais".