De quase "ex-piloto" a possível candidato a pilotar a RedBull Racing na próxima temporada da Fórmula 1. Essa é a história real do mexicano - Sérgio Pérez, que foi o grande vencedor do GP de Shakhir a 8 dias atrás e neste final de semana se despediu da Racing Point com um quarto lugar e com quem não acertou sua renovação de contrato para 2021.

A informação é do jornalista britânico Ted Kravitz, que é repórter da "Sky Sports F1" e também do espanhol "Albert Fábregas", que trabalha na emissora "Movistar F1". Ambos dizem que é grande a expectativa do mexicano ser anunciado no início desta semana como piloto titular da RedBull Racing, no lugar de Alex Albon - que deverá ser colocado como piloto de testes e reserva da equipe em 2021.

"Está sendo esperado um anúncio, talvez até a próxima semana, de que Sérgio Pérez se una a RBR e que Alex Albon vá ser piloto de testes e reserva", declarou Kravitz.

Ainda nesta mesma linha, o jornalista inglês destacou o seguinte:

"Parece que Christian Horner e Helmut Marko conseguiram convencer Dietrich Mateschitz, que gostaria de manter Alex Albon, a assinar com Pérez". Dietrich Mateschitz é o atual dono da RedBull Racing.

Últimas informações

Minutos antes do início da corrida de Abu Dhabi - o último GP da temporada 2020, neste domingo, a Movistar+ informou que o contrato entre "Sérgio Pérez e a RBR estaria quase fechado, mas que ainda faltaria pequenos detalhes".

Pérez ganhou notoriedade após o GP de Shakhir, onde foi o vencedor deste grande prêmio; isso sem falar que o mesmo teve uma temporada de 2020 bastante equilibrada, sobretudo a partir da segunda metade do campeonato. O piloto mexicano fechou em 2020 dez anos de F1.

Se todas essas informações se confirmarem ao longo desta semana pela RedBull Racing, Pérez então terá sua segunda chance de estar em uma equipe de ponta da F1. A primeira foi em 2012, onde após ter uma grande temporada pela Sauber, rumou para a McLaren para substituir ninguém menos que Lewis Hamilton - que se transferia para a Mercedes, no entanto, o mexicano ainda não estava preparado para lidar com a pressão de estar em uma equipe do porte da McLaren, sendo dispensando no ano seguinte.

Em 2014 retornou ao grid da F1, agora a bordo da Force India - que nada mais é que a Racing Point atual e por onde estava até este último domingo por sete temporadas. Com duas corridas a menos em 2020, fechou o ano com 20 pontos a mais de Albon, ou seja, 125 pontos - contra 105 do atual piloto da RBR, do qual poderá vir a ocupar a vaga em 2021. Aguardemos por maiores informações!