Com um grande projeto que já levou o Rubro-Negro a conquistar grandes títulos, agora a direção vai atrás de novas ideias, onde uma delas é a de constituir uma filial fora do país, talvez em Portugal ou Estados Unidos.

Planos do Flamengo

A ideia aqui repassada a você foi detalhada por Rodrigo Tostes, vice-presidente financeiro do Rubro-Negro, em um podcast denominado de "Dinheiro em Jogo". Tal projeto já fora repassado ao Conselho Administrativo e tem conversas avançadas sob a liderança do dirigente.

A exemplo do Manchester City

Assim como o time de Guardiola e Cia, o City que usou o investimento dos Emirados Árabes para realizar novos projetos, o Flamengo pretende seguir o mesmo exemplo, no entanto, o Rubro-Negro não pretende usar recurso próprio aqui, mas sim contar com parceiros que possam bancar a ideia, enquanto caberá ao clube licenciar a sua marca para a filial.

Fluminense já tentou algo semelhante

Vale lembrar que o Tricolor das Laranjeiras chegou em 2018 a firmar parceria com o Samorim, clube da Eslováquia, mas o projeto não durou mais que um ano - muito disso por falta de recurso. Os dirigentes do Fluminense na época não conseguiram patrocínios para bancar os custos que chegaram a 63 mil euros por mês; frustrando assim com o projeto.

Três razões para o Flamengo acreditar na ideia

Segundo o vice-presidente financeiro do clube, o Flamengo tem três razões para acreditar que o projeto possa ser vantajoso ao rubro negro; confira:

  • Para gerar receitas em moeda forte;
  • Vitrine para atletas e reforços e transferências;
  • Oferecer a seus torcedores outro "produto" que possa gerar lucros.

Para que isso se torne realidade, Toste declarou neste mesmo podcast que o Flamengo precisa buscar outros países e se posicionar nesses outros países, onde pretendem internacionalizar a marca em até dez anos; veremos!