Mesmo estando fora dos planos da direção do Flamengo uma eliminação da Copa do Brasil antes das semifinais, onde esse deixou de receber 7 milhões com a derrota dupla para o São Paulo, não servirá como "desculpa" para a demissão de Rogério Ceni do cargo de treinador; pelo menos por hora.

Lembrando que o profissional assumiu o time a pouco mais de 10 dias, chegando ao time para substituir o espanhol Domènec Torrent. Sim, mesmo Ceni ainda não tendo conseguido vencer sob o comando do Flamengo, a direção aposta todas as suas fichas no profissional em questão, acreditando que ele irá conseguir colocar o time novamente nos trilhos certos, dando a ele uma certa credibilidade para trabalhar em "paz".

Assim foi com Domènec

Não podemos esquecer que assim como estão prometendo com Rogério Ceni, também fizeram com o treinador espanhol, que fora demitido do cargo a bem pouco tempo atrás. Depois desse ter emendado uma série de vitórias, com boas apresentações, houve dentro da direção do Flamengo quem garantisse sua permanência pelo menos até o Mundial deste ano - tal confiança depositada neste na conquista do bicampeonato da Libertadores, mas como todos nós já sabemos o final desta história, isso não terminou desta forma, e o mesmo acabou sendo demitido pouco mais de três meses depois de ter sido contratado, o que não impede da direção rubro-negra mandar Rogério Ceni embora se a sequência de maus resultados não for extinta meio logo.

Alerta a Rogério Ceni

Depois de dez dias de Flamengo, com duas derrotas para o São Paulo e um empate com o Atlético-GO, deixam todos em alerta no "Ninho do Urubu", principalmente o treinador, que agora pela frente, depois da eliminação na Copa do Brasil, já se vê obrigado a vencer e vencer logo para quem sabe trazer de volta a tranquilidade dentro do clube e esse desafio iniciará diante do Racing - da Argentina, na próxima semana, pela Libertadores da América, onde se o time brasileiro vir a sofrer outra eliminação em tão curto espaço de tempo, o treinador poderá amargar outra experiência relâmpago, como foi sua passagem pelo Cruzeiro, em 2019.