A FIFA em conjunto com a Ifab aprovou nesta quarta-fera um período de testes para alteração de regra. Sim, a entidade máxima do futebol mundial estuda uma nova forma de substituição em caso de concussão - lesão no cérebro.

A nova medida que deverá ser ainda desenvolvida ao longo do próximo ano, trata de uma tentativa de ver essa situação com mais seriedade, principalmente no meio esportivo.

Nova regra

De acordo com as novas determinações da entidade, todo e qualquer jogador com suspeita de concussão deverá sair imediatamente e como forma de não prejudicar a equipe, essa poderá substituí-lo mesmo que já tenha feito todas as trocas anteriormente permitidas.

A ideia da FIFA é a de evitar que os jogadores sofram mais de uma concussão em uma única partida, o que pode trazer danos irreparáveis a saúde do atleta. A nova determinação começará a ser testada já a partir de janeiro de 2021 por federações, confederações e organizações de campeonatos; essa medida por hora será temporária para dar um feedback.

Outras determinações e regras

Além dessa que especificamos acima, a FIFA também discutiu outros temas, como o prolongamento da utilização das cinco substituições para os campeonatos locais que encerram até dezembro de 2021 e campeonatos internacionais que serão finalizados em junho de 2022.

Bola na mão e VAR

Com relação a essas duas medidas, no primeiro caso: toques na mão; ficou determinado que nem todo toque é faltoso ou deverá ser considerado. Em caso de uma movimentação "anormal", o árbitro da partida deverá julgar a posição do braço ou da mão, com relação ao momento da jogada.

Já sobre a utilização do VAR, a FIFA comunicou que está trabalhando em cima de inovações tecnológicas que poderão tornar o sistema mais barato e acessível para ser usado em campeonatos com menor orçamento.