A contratação de Lionel Messi pelo Paris Saint-Germain segue dando o que falar. Um dia depois do PSG confirmar oficialmente a chegada do atacante argentino ao clube francês, Karl-Heinz Rummenigge, ex-CEO do Bayern de Munique cobrou da UEFA um rigor redobrado dos controles financeiros no futebol europeu.

Diferentemente do que pensa o alemão, Nasser Al-Khelaifi - presidente do PSG disse que tudo foi realizado respeitando o fair play financeiro.

"O fair play financeiro já existe. Só precisa de ser adaptado e usado com mais rigor", declarou Rummenigge ao jornal alemão "Bild", nesta quarta-feira.

Seguindo sua entrevista ao jornal, o ex-dirigente dos Bávaros afirmou que essa também é a opinião do presidente da UEFA - Aleksander Ceferin.

"Regras mais rígidas são uma necessidade absoluta. O presidente da UEFA, Aleksander Ceferin, vê as coisas de forma semelhante", concluiu.

Entenda as regras do fair play financeiro

Pelas normas atuais deste regulamento da UEFA, os clubes filiados a entidade não podem gastar mais do que arrecadam, devendo comprovar a origem das receitas. Essa última parte é o principal obstáculo para clubes como o PSG, que têm um dono ou acionista majoritário.

A regra prevê que investimentos do dono ou dos acionistas ligados ao clube, não podem ultrapassar 30% da receita bruta do clube.

Por violar tal regra que o Manchester City chegou a ser punido em fevereiro de 2020, mas absolvido nos tribunais. Lembramos que o PSG fora investigado pelo mesmo caso, mas o processo foi arquivado.

Para finalizar, Rummenigge encerrou dizendo:

"Esses regulamentos de que estou me referindo devem, afinal, estabilizar a competição, não restringi-la, e a questão raramente é vista por esse lado".