O que será do Cruzeiro em 2020/2021? O que quer dizer a direção do clube celeste os frequentes "nãos" dos treinadores procurados nos últimos dias para assumir o lugar do demitido Ney Franco? Ocupando a 19ª posição da Série B, o time venceu apenas um de seus últimos 5 jogos e pode ver um novo rebaixamento em breve se a situação não mudar.

Sim, a sina do Cruzeiro de 2019 segue em 2020 e não demonstra um futuro muito promissor em 2021, ainda mais após a rejeição do mercado de treinadores em comandar o time na Série B - do Brasileirão em 2020. Se encaminhado para a reta final da temporada, o clube mineiro em questão nos últimos dias viu nada mais, nada menos que três profissionais negarem o convite de comandar o time nesta temporada; primeiro foi Lisca - atual comandante técnico do América-MG, depois foi o veterano Felipão e recentemente o promissor Umberto Louzer que preferiu ficar onde está ao invés de assumir o cargo de treinador de um dos maiores clubes do Brasil - pelo menos o Cruzeiro é sem dúvida um dos maiores em números de títulos.

Onde lembramos que até bem pouco tempo atrás, o Cruzeiro já teria sido uma referência de pagamento em dia, onde esses profissionais jamais negariam um convite deste, mas hoje em dia, envolvido em uma séria crise financeira, sendo inclusive cobrado junto a FIFA, a "raposa" parece ter virado o "lobo mau".

Queda para a Série B

Desde a queda para a Série B e a descoberta de desvios de recursos do clube por parte da antiga administração, o Cruzeiro virou uma verdadeira bagunça - tanto administrativamente, como no campo de futebol.

Obviamente que as recusas não ocorrem somente pela dúvida quanto a questões financeira, mas também pela atual situação do time na Segunda Divisão do Futebol Brasileiro, estando ele entre os últimos colocados e a perigo de uma queda a Série C - do Brasileirão, sem perspectiva de melhora. Profissionais como Rogério Ceni e Ederson Moreira - que acreditaram em projetos do clube aqui em questão, foram queimados em pouquíssimo tempo. Assim como Ney Franco, que não durou 10 jogos a frente da equipe - sendo ele o sexto profissional a passar pelo clube em 14 meses.

Só por aí, já dá a entender porque de tantas recusas nos últimos dias, onde nenhum treinador parou por mais de dois meses - sendo que muitos desses fazem bons trabalhos em outros clubes - um exemplo disso é Rogério Ceni, que voltou ao Fortaleza e está muito bem, obrigado!

Na visão geral do clube, você não consegue ver um horizonte lindo logo ali e acreditar em uma arrancada que terminará com o acesso; está bem difícil neste momento de acreditar nisso. Estaria então o Cruzeiro fadado a desgraça da Série C? É o que veremos nos próximos meses!