Mais uma? Sim! O Cruzeiro novamente é punido pela FIFA; agora o clube está proibido de contratar novos jogadores e registrá-los.

O motivo desta nova punição é por conta de uma ação imposta pelo Zorya - da Ucrânia, que negociou o atacante Willian para o time mineiro, em 2014. Tais informações foram reveladas inicialmente pela "Rádio Itatiaia".

Mesmo tendo declarado no início de agosto um acordo para a quitação desta dívida - em torno de 1 milhão de euros, a mesma não foi homologada pela FIFA, onde a partir de então através de uma nota oficial o Cruzeiro contesta a punição, alegando que chegou a um acordo com o Zorya para a quitação desta conta.

"É lamentado e contestado pelo Cruzeiro Esporte Clube, já que o acordo celebrado entre as partes, se fez mediante canais oficias previstos pela FIFA para tanto".

Nesta mesma nota o time mineiro ainda explica como foi feito o acordo com o clube da Ucrânia, informando ainda que enviou uma manifestação formal a FIFA no dia 1º de setembro, exigindo assim a reconsideração da nova pena imposta ao clube.

De acordo com a direção do Cruzeiro, o pagamento ocorreu ao AliK Football Management - da Estônia, que detinha o crédito com o Zorya, no entanto, o clube ucraniano enviou uma nota a FIFA afirmando que não havia chegado a nenhum acordo com o time mineiro e que não havia assinado nenhum tipo de documento.

Por conta disso, o Cruzeiro rebateu indicando os e-mails enviados ao Zorya presentes no sistema da FIFA, onde um deles possui uma carta anexa com o selo do clube ucraniano. No dia 21 de agosto, o Cruzeiro foi comunicado da punição que proibia novos registros de jogadores. O acordo foi enviado a FIFA no dia 26 do mesmo mês, no entanto, o Zorya informou que jamais assinou tal documento e que a assinatura do representante do clube é falsa.

Promessa de novos capítulos nesta "novela" envolvendo o Cruzeiro e a FIFA.