E a FIFA não deu perdão ao Cruzeiro por dívida com o Al-Wahda, na aquisição de Denílson. O clube celeste de Minas Gerais perdeu o prazo de pagamento da dívida junto a FIFA referente ao volante Denilson que pertencia ao clube acima citado e com isso foi punido com a perca de seis pontos no Campeonato Brasileiro da Série B.

Sem recurso de defesa, a Confederação Brasileira de Futebol já cumpriu a determinação da entidade máxima do futebol e comunicou a decisão a Federação Mineira de Futebol. O valor devido pelo Cruzeiro ao Al-Wahda é de 850 mil euros, com o acréscimo de 5% de juros e mais 30 mil francos suíços de custas jurídicas.

Sem cumprir a determinação da FIFA de pagamento - 90 dias de prazo vencidos na última segunda-feira, o Cruzeiro então foi punido e iniciará o Brasileirão da Série B com menos seis pontos na tabela de classificação - algo pra mim inédito no futebol brasileiro.

Lembre o caso

Denilson foi contratado pelo Cruzeiro em 2016, ficando no clube mineiro por apenas quatro meses, onde defendeu o time em apenas cinco jogos.

Em nota, o Cruzeiro comunicou afirmando que a decisão não cabe recurso, mas também disse não ter sido informado oficialmente e irá tentar resolver as pendências junto a FIFA tão logo consiga.

Denilson - jogador que foi contratado junto ao clube árabem em 2016 - imagem: site oficial do clube
Denilson - jogador que foi contratado junto ao clube árabe em 2016 - imagem: site oficial do clube

Confira a nota oficial emitida pelo Cruzeiro sobre o caso:

"O Cruzeiro Esporte Clube segue trabalhando firmemente para evitar as consequências do não pagamento ao Al-Wahda de mais de 5 milhões da dívida por empréstimo do volante Denilson, contratado em 2016. O prazo para pagamento venceu nesta segunda-feira e por causa deste processo, que não cabe mais recurso na FIFA, o clube celeste pode sofrer a punição de seis pontos na Série B do Campeonato Brasileiro. No entanto, a direção do clube ainda não recebeu nenhum comunicado oficial, e o Cruzeiro está finalizando a negociação com o clube dos Emirados Árabes. As tratativas com o Al-Wahda vinham se desenvolvendo positivamente nas últimas semanas, embora a troca iminente na direção do clube, com as eleições para presidente na próxima quinta-feira, 21 de maio, também tenham colaborado para dificultar as negociações. Isso sem falar na falta de receita da Raposa, que teve seus recursos varridos pela antiga administração e também pelo atual momento vivido pela pandemia da COVID-19. Mesmo assim seguiremos negociando com o clube árabe e vamos seguir até o último minuto, aguardando um desfecho positivo para que o Cruzeiro não venha a ser penalizado com a perca dos pontos".