Não foi desta vez que o treinador Adilson Batista deixou o Cruzeiro, conforme nós mesmos divulgamos aqui em nosso site. As informações vindas da "Toca da Raposa" dão conta de que o técnico Adilson Batista ganhou uma "nova" chance no Cruzeiro e um voto de confiança dos administradores do clube, após ter sua saída definida, mas revogada durante a última quinta. No entanto, o entendimento de integrantes do conselho gestor declararam ao site "globoesporte.com" de que os próximos resultados serão decisivos. Por isso, o apoio a Adilson Batista poderá crescer ou se tornar praticamente insustentável nos próximos 10 dias.

Assim como Adilson, o time do Cruzeiro também está pressionado por melhores resultados. O time é o quinto colocado do Campeonato Mineiro e vem de derrota por 2 a 0 para o CRB, no Mineirão, pela Copa do Brasil. A diretoria também está pressionada, tanto por torcedores quanto por pessoas próximas aos membros que fazem parte, hoje, da direção do clube mineiro. Há uma cobrança não só por melhora nos resultados - o Cruzeiro só venceu um dos últimos oito jogos -, como também do rendimento do time, que não vem agradando.

Nos próximos 14 dias, o Cruzeiro terá jogos decisivos e definidores. Adilson e o conselho gestor reforçarão apoio dentro do clube ou passarão a ser ainda mais questionados? A resposta ocorrerá após dois jogos em casa (Coimbra e URT), no estadual e que serão extremamente responsáveis pela classificação ou não para as semifinais. De quebrar tentará um ato heróico de se classificar na Copa do Brasil, em Maceió.

Caso o treinador consiga alcançar os objetivos mais próximos, o entendimento dos membros do conselho gestor ouvidos é que o profissional terá forças e apoio para chegar para a disputa dos momentos decisivos do Estadual. Se não conseguir bons resultados, suportar a pressão (externa e interna) de demiti-lo será complicado.

Adilson terá 14 dias para mudar o rumo do Cruzeiro.
Adilson terá 14 dias para mudar o rumo do Cruzeiro.

"Existem rejeições do trabalho do Adilson por parte da nossa torcida, a gente respeita, mas a gente acompanha o dia a dia do trabalho e estamos atentos a tudo. Ele é merecedor do nosso apoio e esperamos ele fazer um grande trabalho para trazer resultados ao Cruzeiro", declarou Ferreira- membro da comissão gestora do clube.

Do lado de Adilson, pesa o fato dele não ter todos os seus pedidos atendidos junto à diretoria. Duas contratações, a pedido do técnico, estiverem bem próximas de ser concretizadas, mas não ocorreram (ainda) pela questão financeira, aspecto determinante no Cruzeiro neste momento. O técnico sinalizou também outros nomes, que não conseguiram ser contratados.

Ao mesmo tempo em que sofre pressão dentro e fora do clube, o conselho gestor tem ciência de que o Cruzeiro passa por um momento "fora do normal" e é preciso ter paciência e dar tempo de trabalho a Adilson Batista. Também pesa, neste momento, o pouco tempo de trabalho do técnico com o atual grupo, que ainda está sendo formado e em que alguns reforços sequer estrearam - como é o caso dos zagueiros Marllon e Ramón.

E como disse Carlos Ferreira, resultado é o que define a permanência de um técnico. E os próximos serão importantes para responder qual caminho tomará o Cruzeiro em um ano de reconstrução e de mudanças profundas no futebol e em sua estrutura de clube.