O Cruzeiro, pela primeira vez em sua história, vai disputar a segunda divisão do Campeonato Brasileiro. Com apenas 36 pontos, a Raposa sacramentou o descenso após a derrota de 2x0 para o Palmeiras. Além de ter a obrigação de reerguer uma das maiores instituições do futebol brasileiro, a nova diretoria terá que lidar com as finanças do clube, com déficit na casa dos R$ 700 milhões.

Entretanto, para entender como o Cruzeiro chegou ao seu primeiro rebaixamento, é necessário saber todas as loucuras e irresponsabilidades cometidas pela diretoria do clube. Para isso, elencamos aqui os 5 momentos mais importantes e representativos para que o Cruzeiro chegasse ao pior momento de sua história. Confira:

1-PRIMEIRA DERROTA DE 2019

O Cruzeiro chegou ao primeiro resultado negativo no ano na derrota de 2x1 para o Flamengo, no Maracanã, na 1ª rodada do Campeonato Brasileiro. Após o título mineiro invicto, a equipe então sob o comando do técnico Mano Menezes conheceu sua primeira derrota em 2019. Mais do que o resultado, o desempenho apresentado pela equipe dava indícios do que o clube poderia enfrentar nesta edição do campeonato.

2- ELIMINAÇÃO NA COPA LIBERTADORES

O Cruzeiro se reforçou para vencer a Libertadores, e até por isso trouxe nomes consagrados do futebol brasileiro. Após ter a 2ª melhor campanha geral da fase de grupos, o duelo com o River Plate foi decidido nos pênaltis após 2 empates por 0x0. Em pleno Mineirão, a primeira grande decepção da equipe na temporada chegou de forma cruel.

River Plate eliminou o Cruzeiro na Copa Libertadores da América. (Foto: Olé)

3- CHEGADA DE ROGÉRIO CENI

Após 20 jogos sem vitórias na temporada, o técnico Mano Menezes foi demitido. No dia 11 de agosto, o treinador ídolo no São Paulo chegou para colocar a equipe novamente no caminho das vitórias. Ainda assim, apenas 46 dias de trabalho foram suficientes para que o técnico jogasse aos ventos todos os problemas internos da instituição, sobretudo na situação envolvendo os principais jogadores do elenco, como Dedé e Thiago Neves.

Mais do que isso, as denúncias de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo alguns dirigentes do clube foram o estopim para que a torcida fizesse diversas manifestações contra a diretoria, mais precisamente sobre o presidente Wagner Pires de Sá, e sobre o dirigente de futebol Itair Machado, que foram afastados. A crise interna levou o time ladeira abaixo, com salários atrasados e falta de dinheiro para arcar com os R$ 15 milhões mensais da folha salarial.

Rogério Ceni precisou de 46 dias para escancarar os problemas do Cruzeiro. (Foto: Divulgação)

4- DERROTA PARA O CSA

Mesmo com a pífia campanha, o Cruzeiro teve várias oportunidades de sair da zona do rebaixamento. Após empatar em casa com o Avaí, o time teve a grande oportunidade de reagir na competição, bastando apenas uma vitória sobre o CSA jogando nos seus domínios. Entretanto, a equipe já sob o comando de Abel Braga foi derrotada pelo time alagoano em pleno Mineirão, jogo que culminou com a saída de mais um treinados, Abel Braga, e trouxe a chegada de Adílson Batista para as últimas 3 rodadas do Brasileirão, jogos derradeiros.

Cruzeiro foi derrotado em casa pelo CSA; Thiago Neves perdeu pênalti decisivo. (Foto: GE)

5- REBAIXAMENTO CONFIRMADO

Mesmo com todos os desastres da temporada, o Cruzeiro teve inúmeras oportunidades de se salvar. Já na última rodada, após perder para o Grêmio em Porto Alegre ainda havia esperança: bastava vencer o Palmeiras em casa e torcer por uma derrota do Ceará para o Botafogo, no Rio de Janeiro. A expectativa do torcedor cruzeirense aumentou com o gol do time carioca ainda no primeiro tempo, mas o cruel gol do Palmeiras anotado por Zé Rafael, derrubou o time, que ainda viu Dudu, cria do clube, aumentar o vexame mineiro.

O time mineiro agora, igual vários outros grandes do futebol brasileiro, vai conhecer a série B de perto pela primeira vez e terá que colocar a casa em ordem se quiser voltar em 2020.

Derrota de 2x0 para o Palmeiras decretou o rebaixamento do Cruzeiro. (Foto:Divulgação)