Opinião: O desespero veste azul

Com desempenho deprimente e resultados insuficientes, o Cruzeiro pode sacramentar o rebaixamento na próxima rodada. Tragédia anunciada.

Por Talis Andrey de Mello
Compartilhe

Nada poderia ser mais dramático e cruel com o torcedor do Cruzeiro do que a atual situação. Talvez se o primeiro rebaixamento da história do clube já estivesse sacramentado, o torcedor pelo menos não estaria iludido de que o atual cenário pudesse ser revertido faltando apenas duas rodadas para o fim do campeonato.

Em situações parecidas nos últimos anos, em que um milagre salvou as grandes equipes do futebol brasileiro, um fator foi determinante para que isso fosse possível: O fator anímico. Em outras situações, os jogadores tiveram provas de que pelo menos havia esperança de que teria salvação, algo que está completamente inexistente neste Cruzeiro.

Pedir para um time que venceu apenas 7 jogos em 36 possíveis conseguir o feito de vencer 2 partidas seguidas é praticamente uma utopia. Mesmo que seja matematicamente possível, é impossível acreditar que será possível compensar a incompetência interna e a falta de futebol que foi a grande tônica durante todo o 2ª semestre.

Cruzeiro foi derrotado pelo Vasco por 1x0. (Foto:ESTADÃO)
Cruzeiro foi derrotado pelo Vasco por 1x0. (Foto:ESTADÃO)

O horizonte é sombrio e muito dificilmente irá clarear a curto prazo. Neste momento, o torcedor cruzeirense precisa se apegar ao fato de que o Cruzeiro tem um dos melhores elencos do futebol brasileiro, em termos teóricos. Não se trata de ter um futebol qualificado ou de ter um nível de atuação rico, basta apenas um resultado positivo, mesmo que seja unicamente no fator da vontade e da entrega.

Por incrível que pareça, este parece ser o pedido mais exigente que pode fazer ao time, que dentro de campo está praticamente conformado com o rebaixamento. Por mais que seja cruel ou até mesmo desrespeitoso com o torcedor, vale a frase: O Cruzeiro não merece estar na primeira divisão do futebol brasileiro.

Torcedor: compartilhe
Siga nas redes
Comentários
Carregar comentários