Situação delicada no Cruzeiro; além das dividas já conhecida por todos, o clube celeste agora terá que resolver a situação com seu ex-jogador; o defensor Dedé, que move uma ação trabalhista contra os mineiros e além desse a M9 Sports, que também notificou os cruzeirense com relação a comissões não pagas no contrato do jogador aqui já destacado e Marllon, no valor de R$ 465.723,41.

Informação dada pela Rádio Itatiaia

A informação que aqui trazemos foi dada pelo Rádio Itatiaia e posteriormente confirmada pelo site "GE", que teve acesso ao "processo".

Sem decisão sobre os autos junto à justiça, o empresário do jogador pede a condenação do Cruzeiro ao pagamento do valor em até três dias. Se esse não for efetuado, ele sugere a penhora de bens do clube até que se chegue ao valor aqui já descrito.

Giuliano Arana pede na ação que o Cruzeiro efetue o pagamento de R$ 432.685,35 - valor esse referente a 10 de 12 parcelas que não foram pagas de R$ 34.166,66 (cada) no "Termo de Ajuste de Pagamento de Comissão", assinado em 2018.

Cobrança referente à Marllon

Sobre Marllon, que chegou no último ano e já fora embora, o empresário cobra o valor de R$ 33 mil, referente a duas parcelas atrasadas de R$ 14 mil (cada).

Segundo a empresa que gerenciava os dois atletas e que também move uma ação contra o Cruzeiro, às quantias aqui citadas já deveriam ter sido pagas em março e abril do último ano e segundo eles não foram efetuadas. Até o momento o clube não se manifestou em nenhum dos casos.