Por causa do coronavírus, Cristiano Ronaldo não volta à Itália e não se reapresenta a Juventus. O "craque português preferiu permanecer em sua "terra natal" para se resguardar desta "pandemia" e se auto-inclausurou" em Portugal. Até aí, sem problemas, mas o grande destaque nesta matéria é com relação onde ele foi permanecer em "quarentena".

Aí você me pergunta: Ta, e aí, qual é o problema dele estar em Portugal se preservando do "Covid-19"? Significativamente, nenhum, só que ele se auto-inclausurou, digamos assim, em uma "casinha" com apenas sete andares, na Ilha da Madeira, em Portugal; um belo lugar para permanecer em uma quarentena. Casa essa que comprou há pouco tempo e onde ele usa os dois últimos andares; o restante é dividido entre a sua família.

Tudo bem, "brincadeiras" a parte, Cristiano Ronaldo está sim em sua casa se preservando do vírus que parece tomar conta do planeta e muito disso por causa de um contágio em seu clube. O zagueiro Rugani - companheiro de equipe na Juventus foi diagnosticado com o "Covid-19" e ambos dividiram o mesmo vestiário durante a partida da "Velha Senhora" contra a Inter de Milão, no último final de semana, pelo Campeonato Italiano.

Cristiano Ronaldo em campo no último final de semana contra a Inter de Milão.
Cristiano Ronaldo em campo no último final de semana contra a Inter de Milão.

Cristiano Ronaldo após o último confronto da Juventus pelo Campeonato Italiano partiu direto para Portugal, aonde desde então vem se preservando e por conta disso, a própria direção do clube emitiu um comunicado falando sobre o caso:

"Cristiano Ronaldo não treinou e permaneceu na Madeira aguardando desenvolvimentos relativos à atual situação de emergência de saúde", declarou em nota o clube de Turim.

De acordo com informações da agência de notícias "AFP", o elenco da Juventus permanecerá em "quarentena" por duas semanas, fato que poderá adiar o confronto contra o Lyon na próxima semana, pela Champions League.

Vale aqui ressaltar que a Itália é o país europeu com o maior número de pessoas infectadas com o "Covid-19", com mais de mil casos já registrados.