Após reunião entre os dirigentes do Corinthians, no Parque São Jorge, a mesma chegou à conclusão que a situação financeira no clube está ficando insustentável por causa da pandemia da COVID-19, desta forma demissões em seu quadro de funcionários nos próximos dias deverão ocorrer.

Com uma queda acentuada nos últimos meses em suas receitas devido à pandemia do novo Coronavírus, o "Timão" que chegou a parcelar salários e férias de alguns de seus colaboradores, mas até então defendia o emprego, chegou a um ponto que não poderá mais cumprir com a palavra e a espera de um socorro financeiro de aproximadamente R$ 120 milhões - referente à venda de Pedrinho ao Benfica; mas enquanto espera por esse valor, alguns funcionários deverão ser dispensados.

Com os jogadores possuindo contratos com altas multas rescisórias, o futebol profissional deverá ser um dos poucos afetados com essas futuras demissões e desta forma, mesmo a presidência defendendo o não retorno imediato do futebol neste momento, só vê uma saída para essa crise financeira no clube melhorar, e é exatamente com o retorno da atividade em campo.

Andrés Sanches - presidente do Corinthians - imagem: globoesporte.com
Andrés Sanches - presidente do Corinthians - imagem: globoesporte.com

Assim, jogadores das categorias de base deverão ser os mais atingidos com essa nova medida a ser tomada pelo clube, ou seja, deverão ser dispensados, uma vez que a Federação Paulista de Futebol já admitiu que dificilmente os mais jovens terão competições a disputar em 2020. Com isso, o enxugamento na folha salarial do timão poderá iniciar com a demissão das comissões técnicas destas categorias de base, com as dispensas de atletas e profissionais responsáveis por essas.

Além das categorias de base do futebol, outras modalidades esportivas dentro do clube também serão afetadas com essas futuras demissões - aqui falamos do basquete, onde na última semana a direção corintiana encerrou as atividades da equipe masculina desta modalidade e ainda avalia demissões nos departamentos de esportes aquáticos e terrestres.

Dentro do período de 30 dias, o Corinthians já conseguiu reduzir entre 50% a 70% o salário dos empregados - conforme medida provisória 936, editada em abril último. Quanto aos salários dos jogadores profissionais, esses tiveram uma redução de 25%.

Vale ressaltar que procurada pela reportagem do site globoesporte.com, a direção do Corinthians não quis comentar sobre o assunto.