O Corinthians e a Caixa Econômica Federal acreditam em um acordo amigável para colocar um ponto final na questão da dívida da Arena Corinthians. Advogados das duas partes vêm negociando nas últimas semanas e apostando em uma solução; para isso pediram que fosse adiada a audiência de conciliação que estava prevista para esta terça-feira.

O encontro entre os advogados do clube e do banco estatal estava marcado para ocorrer nesta terça-feira. Com isso, uma nova data para essa mesma ocorrer, ainda deverá ser marcada. De acordo com o diretor jurídico do Corinthians, Fábio Trubilhano, houve um pedido pela suspensão do processo movido pelo banco estatal por 30 dias.

"Como se sabe, Corinthians e Caixa vêm conversando a fim de encontrar uma solução amigável. Em razão disso, as partes conjuntamente pediram a suspensão do processo pelo prazo de 30 dias, o que já foi deferido pelo juiz", disse Fábio Trubilhano, diretor jurídico do Corinthians, ao site "globoesporte.com.

O banco em questão cobra R$ 536 milhões pelo financiamento da Arena Corinthians. A Caixa entrou com processo de execução da dívida depois do Corinthians ter atrasado seis parcelas do pagamento mensal do estádio (de março a agosto). Apenas as parcelas de janeiro e fevereiro foram quitadas pelo clube, que suspendeu os demais pagamentos do ano a partir do momento em que a execução foi ajuizada.

A audiência de conciliação havia sido marcada para essa terça-feira, pelo juiz federal Victorio Guizio Neto, da 24ª Vara Federal de São Paulo. O Corinthians entrou com recurso contra a execução, no entanto, com uma sinalização de comum acordo entre as partes envolvidas, essa audiência em questão foi adiada, sem uma nova data para ocorrer até o momento.

O Corinthians diverge dos valores. Segundo o clube, com juros e correções, o valor atual da dívida é de R$ 487 milhões. A execução da dívida do Timão com a Caixa levou a Arena Itaquera S/A para o cadastro de inadimplentes do Serasa, situação que o clube tenta reverter, mas ainda não conseguiu.