Jogos da Copa do Mundo servem como bandeira para mulheres do Irã

Durante uma reunião com o presidente da FIFA, Gianni Infantino, em Teerã, o mesmo declarou que o “governo local prometeu que em breve as mulheres terão acesso as reuniões”.

Por
Compartilhe

Aproveitando a Copa do Mundo na Rússia, mulheres iranianas que lutam a mais de duas décadas para poderem entrar nos estádios de seu país para acompanhar uma partida de futebol, aproveitam o momento para lembrar o mundo sobre o assunto.

A exclusão das mulheres nas arquibancadas do Irã virou uma bandeirar da luta pela igualdade, não só pelo direito de poder assistir uma simples partida de futebol, mas para tudo, de uma forma geral.

Ativistas iranianas aproveitam os jogos da Rússia para lutarem por seus direitos.Ativistas iranianas aproveitam os jogos da Rússia para lutarem por seus direitos.

Em entrevista ao jornal “EL PAÍS”, a iraniana Sussan Tahmasebi, declarou que a proibição da mulher em não poder ir a um estádio e torcer por seu time favorito, é o mesmo que ser uma pessoa excluída da sociedade.

“Você não poder ver seu time favorito faz com que você se sinta como uma pessoa excluída, uma cidadã de segunda classe. É uma questão de segregação. As iranianas são contra a existência de lugares vetados para elas, mas, além disso, no caso dos estádios, a mensagem é de que elas não têm o direito de se divertir”, declarou Sussan.

A última vez que as mulheres puderam assistir a uma partida de futebol no Irã foi em 1981; mais propriamente dito, no dia 05 de outubro de 1981. Quando os mulçumanos haviam recém tomado o poder após a revolução que derrubou o xá e a proibição de acesso aos estádios em jogos com time masculinos foi uma das regras impostas ao gênero feminino.

Para o movimento feminista “Open Stadiums”, esse ação durante a Copa do Mundo da Rússia é um pequeno passo para voltar a uma situação que deveria ser normal, no Irã – de acordo com a direção do movimento, ingressos para ambos os sexos já começaram a serem colocados a venda nos jogos realizados no país em questão.

Durante uma reunião com o presidente da FIFA, Gianni Infantino, em Teerã, o mesmo declarou que o “governo local prometeu que em breve as mulheres terão acesso as reuniões”.

A cobrança por parte do sexo feminino quanto à questão de poder assistir aos jogos de futebol no Irã aumentou ainda mais após o governo da Arábia Saudita liberar o acesso a presença de mulheres nos estádios de futebol.

Comentários