Muitos devem estar se perguntando - mas como o Internacional sem grana está conseguindo se reforçar desta maneira e ainda de quebra conseguindo trazer bons jogadores para compor o seu elenco? Simples, eu respondo.

Assim como já foi nas duas últimas temporadas na "Gestão Medeiros", o clube vai em busca de negócios de ocasião, ou seja, negócios que possam custar pouco ou nada e que ainda dêem lucratividade ao clube, como é o caso do último reforço anunciado nesta semana, ou digamos, no dia de ontem - aqui falando exclusivamente de Gabriel Boschilia, que para muitos torcedores é um jogador ainda desconhecido, uma vez que deixou o Brasil muito jovem, aos 17/18 anos.

A contratação do meio-campista que pegou muitos desavisados com "as calças na mão" foi na insistência e no "bom negócio" para ambos os lados. Lembrando que a mesma se arrastou por quase dois meses. Em uma primeira "investida" a direção colorada tentou trazê-lo por empréstimo, no mês de dezembro, ao qual não avançou - os franceses dono dos direitos econômicos do atleta só aceitavam a venda e por 6 milhões de euros - algo próximo a R$ 27 milhões; coisa que o Inter jamais iria fazer neste momento.

O clube brasileiro não tinha como comprometer tamanho valor e ainda contava com a concorrência de outros clubes, bem como Athletico, Bragantino/RedBull e Nantes - clube esse que o jogador defendeu na última temporada.

No entanto, o jovem meia continuava a ser visto pela direção do Inter e pela comissão técnica como uma possível alternativa para o lado esquerdo no setor de criação, visto de Eduardo Coudet está utilizando D’Alessandro como um homem mais avançado, quase como um atacante, mais próximo de Paolo Guerrero.

Com tamanho desejo no atleta, o Inter em total sigilo designou a Rodrigo Caetano a missão de trazê-lo para o Beira-Rio, que depois da primeira recusa, conversava com o representante do jogador e com os representantes do Monaco quase que diariamente. Ao meia, o dirigente colorado tinha a missão de mostrar a ele o benefício que seria uma transferência para o Beira-Rio e foi aí que o representante do jogador entrou na "parada".

Porém, ainda era preciso convencer o Monaco. Na inteligência, a direção colorada conseguiu compor uma proposta de compra - oferecendo ao clube francês a aquisição de 20% dos direitos econômicos do jogador brasileiro e caso esse venha a atingir algumas metas colocadas em contrato - no primeiro ano, o Inter terá o compromisso de adquirir mais 10%. Já os demais 40% pertencentes aos franceses, será opcional ao longo dos três anos de contrato que o jogador ainda irá assinar com o Colorado assim que desembarcar em Porto Alegre - até o final de semana.

Vale salientar, que os valores envolvidos nessa negociação não foram revelados por ambas as partes. Além do direito de compra, o Inter ainda terá o poder de revenda em um futuro, uma vez que Boschilia conta com 23 anos e tem ainda muito caminho para potencializar suas virtudes e com isso chamar a atenção de outros clubes - como ocorreu em 2015, quando era jogador do São Paulo e acabou chamando a atenção do próprio Monaco - sendo vendido ao clube francês por 10 milhões de euros.

Mesmo jovem, o Internacional será o quinto clube na carreira do jogador, conforme já divulgamos ontem, na matéria que escrevemos aqui mesmo em nosso site. Lançado para o mundo do futebol pelo Guarani (2013/2014), o jogador que "brilhou" pelo São Paulo (2014/2015) ainda tem passagens por clubes como o Monaco (2015/2020), Standard Liege (2016) e Nantes (2018/2019).

Se você for um observador nato, irá me perguntar: E em 2017, onde jogou? Neste ano, Boschilia sofreu uma grave lesão no joelho direito, tendo que ser submetido a uma cirurgia e ficou afastado dos gramados por um longo período - foram sete meses se recuperando do trauma, voltando apenas no último semestre ao Monaco, por onde entrou em campo apenas cinco vezes.

Na temporada atual, o meia entrou em campo no último dia 20, quando ajudou o time francês a derrotar o Saint-Pryvé, pela Copa da França - dando ali, adeus ao Monaco.