Ministério Público esclarece investigação sobre gestão de ex-presidente do Inter; entenda

Na manhã desta quarta-feira, o Ministério Público esclareceu em entrevista coletiva os detalhes das irregularidades entre os anos de 2015 e 2016.

Por Talis Andrey de Mello
Compartilhe

Na manhã desta quarta-feira, o Ministério Público concedeu entrevista coletiva para esclarecer a atual situação das investigações sobre a gestão do ex-presidente do Internacional nos anos de 2015 e 2016, comandada por Vitório Píffero. As investigações dão conta de que pode haver possíveis irregularidades, podendo haver inclusive prejuízos milionários aos cofres do clube. A entrevista coletiva confirma o fim da primeira fase da investigação.

Confira abaixo as declarações na entrevista coletiva:

"Este trabalho de investigação começou há algum tempo, e pela relevância do clube, e pela gravidade dos fatos, e por ser a primeira investigação mais profunda dentro de um clube de futebol, buscamos fazer o resgate e a completa apuração de todos os fatos para que fosse possível o esclarecimento completo sobre o que nos foi trazido. Foi um trabalho longo e demorado porque depende de muitos fatos."

"Envolve lavagem de dinheiro, e consumiu muito tempo da nossa consultoria especializada, e mesmo que hoje seja apenas a apresentação de grande parte dos trabalhos, cujo ainda não está completo e será apresentado para a justiça. MP trabalhou duro para a contribuição dos esclarecimentos dos fatos, e se tratando de um clube da importância do Internacional, um dos maiores do Brasil, isso foi necessário." Gravidade muito grande

" Pela importância e pelo significado, fomos cobrados por todos, e a demora de esclarecimentos se deu por conta do alto número de dados, e se dá conta da maior operação dentro de um clube do futebol. A investigação se deu por conta do próprio conselho deliberativo do clube, que mostrou dados suspeitos para uma situação que se mostrou com uma dimensão absolutamente grande sobre a gestão da época. "

"A base inicial da denúncia é de estelionato, e consta mais de 200 fatos e 150 fraudes em documentos, para demonstrar obras que não aconteceram. Também se trata de lavagem de dinheiro, em manobras para que o dinheiro voltasse para os dirigentes da época, passando de empresas para os próprios, e estas tarefas estão sendo denunciadas também como organização criminosa."

Gestão de Vitório Píffero entre 2015 e 2016 est sendo investigada pelo Ministério Público. (Foto: GE)
Gestão de Vitório Píffero entre 2015 e 2016 está sendo investigada pelo Ministério Público. (Foto: GE)

"Chegamos neste momento aos primeiros desfechos desta investigação. Estamos mostrando toda a corrupção e as irregularidades no futebol brasileiro, e fomos procurados por outros clubes do centro do país para que estas investigações se repitam em outros estados. A partir do que foi encaminhado pelo próprio clube no fim de 2017, conseguiu ser provado e ainda mais, no futebol, tudo o que foi encontrado está sendo encaminhado para a CBF e a FIFA, para que os dirigentes também sejam punidos. "

"No lado do futebol, muito claramente haviam dirigentes que se aproveitando desta condição, acertavam com empresários a inclusão de cláusulas para que alguns valores indevidos voltassem ao próprio. Foi considerado como estelionato, e em algumas formas, utilizando contas de empresas de terceiros, isto foi caracterizado como lavagem de dinheiro. Não foi a todos, mas na maioria."

"Foram mais 150 saques, somados em mais de R$9 milhões. Chegou um momento que o clube pediu emissão de notas fiscais para que possíveis despesas, e depois que viram que poderia ser possível, foram mais de 150 notas nos dois anos de gestão."

" Alguns jogadores que poderiam ter sidos pressionados a repassar valores para os dirigentes, eles não falam, pois tem receio do mesmo acontecer em outros clubes. Há uma grande dificuldade de falar com os jogadores, pois o medo de ser pressionado dificulta as ações. Jogadores não devem ser denunciados juridicamente."

"De nossa parte, é um estrago financeiro de cerca de R$12 milhões em prejuízo, e na parte do futebol, cerca de 30 a 150 mil reais que geraram cada um destes fatos de estelionato. Sobre como isto vai se recuperar, cabe ao próprio clube buscar o ressarcimento sobre os que prejudicaram o clube."

"Temos certeza de que não aconteceu apenas no Internacional, mas como não temos denúncias de fora, não temos como começar as investigações. Parte do dinheiro do clube foi desviado para pagar folha de pagamentos de salários do funcionários em empresas privadas. O que nós temos é de que cerca de R$3,3 milhões foram desviados do clube. "

Torcedor: compartilhe
Siga nas redes
Comentários
Carregar comentários
Assista ao nosso último vídeo:
Inscreva-se no canal