Velho conhecedor da "coisa", ou seja, da Libertadores, Rafael Sobis que deverá ser titular no ataque Colorado na estreia do time na competição, dá a receita para disputar o torneio e se diz ansioso: "É como se fosse a primeira".

Com dois títulos do torneio pelo Internacional, Sobis tem sete participações na competição sul-americana, com três finais. Com tanta experiência, a Libertadores por hora se confunde com a carreira do atacante. Mesmo com o sucesso conquistado neste que sem sombra de dúvidas é a competição mais importante do nosso continente, o jogador de 33 anos convive com a ansiedade, às vésperas das estreia do Colorado no torneio.

Escalado para dar entrevista coletiva nesta quinta-feira, após o treino no CT Parque Gigante, o atacante cria da casa afirmou que se "sente como se estivesse prestes a participar pela primeira vez de uma Libertadores". Ainda segundo Sobis, o peso das duas conquistas pelo Colorado, dá a ele uma responsabilidade ainda maior, o que aumenta esse sentimento.

"É como se fosse a minha primeira. Ainda mais com esse peso de já ter conquistado duas. Existe a ansiedade. Já vivi isso no Inter e em outros clubes. A Libertadores é uma competição diferente. O Inter teve um ano todo passado que fez uma boa temporada, qualificou para esse momento. É mais um passo de uma construção que vem sendo feita há um bom tempo. O sentimento é o melhor possível. Momento novo. A expectativa é sempre a melhor", declarou ele.

Com tamanha bagagem em suas costas pelas conquistas da América, faz de Sobis um dos principais personagens do Colorado nesta competição - tanto por parte dos adversários, torcedores, como por parte dos novatos que irão estrear no torneio.

Na mesma entrevista, Sobis conhecedor da "coisa", tenta dar a receita ao Inter para ir longe. Ele diz que é preciso se adaptar rápido as situações e ser competitivo acima de tudo.

"Principal é tu saber que muitas vezes, você não consegue jogar. Tem que competir. Muda país, muda clima, tem altitude, muda o gramado. Principal é adaptarmos a cada situação. E saber que tem jogo que não vamos jogar bem. Mas temos que vencer e corrigir dentro de campo, onde requer que seja daquele momento. Se esperar pelo intervalo, talvez seja tarde. Nem sempre o melhor vence. O que vence é o que se adapta melhor. É isso. É o principal, sinceramente", finalizou o camisa 23 colorado.

O Internacional estreia na Libertadores contra o Palestino, na próxima quarta-feira, às 19h15, em Santiago do Chile.