Mais um que reclama do cancelamento do Campeonato Francês! Depois da direção do Amiens criticar os organizadores da competição e fazer um apelo para que as autoridades reavaliem a situação, agora é a vez de Jean Michel Aulas - presidente do Lyon soltar o verbo.

Em entrevista concedida ao jornal "L’Èquipe" nesta última quarta-feira, o dirigente aqui em questão disse que os organizadores da Ligue 1 foram apressados demais ao encerrar a competição devido a pandemia do novo Coronavírus.

"A situação está ficando mais clara. Quase dez países da Europa, incluindo Alemanha, Portugal, Itália e Turquia, já iniciaram os treinamentos novamente. Então, podemos realmente pensar. Ao adaptar nossos métodos, provavelmente poderíamos ter encerrado o nosso campeonato", declarou.

Jean Michel Aulas - presidente do Lyon
Jean Michel Aulas - presidente do Lyon

Ainda nesta mesma entrevista, Aulas disse que haveriam datas para finalizar a competição, visto que a UEFA havia aceitado um adiamento do fim da atual temporada, declarando que o prejuízo para o futebol francês será enorme.

"Estamos no caminho errado, pode não ser tarde demais para tentar imaginar, a luz do que está acontecendo com toda a Europa, algo politicamente coerente: tínhamos até o início de setembro para encerrar. Fiz um cálculo: as percas, para o futebol francês, chegariam a 700 milhões de euros por causa desta decisão. A grosso modo, na última temporada, o campeonato gerou 409 milhões de euros vindo de parceiros e patrocinadores. Pode-se imaginar que perderíamos uma quantia da ordem de 50 a 85 milhões de euros. Isso sem falarmos dos direitos de TV, que é de 250 a 300 milhões de euros. A perda da bilheteria provavelmente ficará em torno de 20 milhões de euros", comentou.

Para finalizar, o presidente do Lyon disse que não está aqui colocando o lado financeiro a frente da saúde, mas que sobre o pretexto da saúde, não se deveria encerrar com um campeonato e fixar uma regra de jogo que em sua visão não é a correta. Para ele, isso significa que existe, por trás, um certo número de interesses que não têm nada haver com o problema sanitário.

"As decisões tomadas podem levar o futebol francês a uma situação catastrófica. É um grito de alarme", finalizou o presidente do Lyon, que viu seu time encerrar o Campeonato Francês na sétima colocação.