Flamengo joga mal e Independiente faz a festa no Maracanã pela Sul-Americana

Não deu! O Flamengo não conseguiu superar a retranca Argentina e ficou mesmo com o vice-campeonato da Sul-Americana.

Por
Compartilhe

Com aproximadamente 60 mil pagantes na noite de quarta-feira no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, o Rubro-Negro lutava para conquistar o inédito título da Copa Sul-Americana – com o retorno de Everton, o time carioca jogava por uma vitória, mas não conseguiu. Com o time todo no ataque, o Flamengo não foi objetivo e certeiro em suas finalizações, esbarrando no goleiro do Independiente – adversário da grande final da competição, hora chutando mal... O resultado de empate por fim acabou sendo justo pelo que as duas partidas apresentaram em campo.

Independiente é Campeão da Copa Sul-Americana 2017.Independiente é Campeão da Copa Sul-Americana 2017.

Com o placar em 1 a 1, os argentinos fizeram a festa em pleno Maracanã, repetindo o que aconteceu em 1995, pela Supercopa, frustrando mais uma vez a sua torcida, que no fim vaiou o time e chamaram de “Time sem vergonha”.  

O jogo da última noite de quarta-feira, pela decisão da Copa Sul-Americana valia mais que terminar um ano em alta, com um título – valia a chance de conquistar um título internacional que não vem há 18 anos.

Com o Maracanã lotado, os times não confirmaram todo o mistério em suas escalações antes do início da partida. O treinador do Flamengo, Reinaldo Rueda, como já havia anunciado antecipadamente colocou em campo Everton, mas deixou Everton Ribeiro fora do time inicial, começando a partida com o Lucas Paquetá – acertando pelo menos para a torcida que comemorou muito quando seu nome foi anunciado no sistema de som do estádio.

Paquetá comemora o gol do Flamengo.Paquetá comemora o gol do Flamengo.

E foi exatamente Paquetá que deu esperança ao sonho flamenguista de conquistar o inédito título da Copa Sul-Americana – aos 30 minutos da etapa inicial, o meia-atacante abriu o placar com um gol chorado. Era ele o que mais se movimentava no meio de campo flamenguista, puxando o ataque pela direita e às vezes até mesmo ajudando na defesa.

O Flamengo exagerou nas bolas alçadas a área, desperdiçando assim muitas das chances de contra-ataque e de gols. Por outro lado, o Independiente veio ao Rio de Janeiro para a decisão diferentemente do primeiro jogo, na Argentina. O time do Rio da Prata veio decidido a sair na boa, ou seja, somente nos contra-ataques, uma vez que tinha o resultado a seu favor – com a famosa catimba argentina, o Independiente jogou sem afobação, tocando a bola e assim saiu o gol de empate, oito minutos depois do gol do Flamengo. De pênalti Barco deixou tudo igual.

Barco comemora seu gol de pênalti - 1 a 1.Barco comemora seu gol de pênalti - 1 a 1.

Com o tempo a seu favor, os argentinos recuaram e o Flamengo veio para cima, Reinaldo Rueda no segundo tempo colocou Vinicius Junior e Everton Ribeiro, que deram ao Rubro-Negro mais força ofensiva, mas ao mesmo tempo ficou mais vulnerável. Com o jogo totalmente aberto, os argentinos dominaram a segunda etapa e tiveram as melhores chances de ampliar o placar, mas por fim prevaleceu mesmo a igualdade no placar – 1 a 1 e festa argentina em pleno Maracanã.

Com mais essa conquista, os times argentinos aumentaram a vantagem sobre os clubes brasileiros – 50 taças argentinas contra 41 brasileiras. Na Copa Sul-Americana estamos perdendo de 8 a 3 no quesito títulos, já na Libertadores, a diferença é de 24 para 18 a favor dos hermanos.

Comentários