Antes dado como praticamente certa uma renovação entre jogador e clube, agora as conversas sobre o futuro do atacante Rony já estão marcadas por uma série de reviravoltas, visto a mais uma reviravolta nas negociações entre Athletico e jogador ocorrida nesta última sexta-feira.

O Athletico, que havia cedido para se aproximar da renovação com o atleta, voltou a impor novas condições que não agradaram ao agente do atacante.

Inicialmente, de acordo com a "Gazeta Esportiva", o encontro desta última semana tinha como meta a assinatura do novo contrato entre Rony e o Athletico. Tudo estava alinhado entre as partes, mas a direção do "Furacão" colocou novas condições. Primeiro não quis pagar a comissão ao empresário e depois pediu dez dias úteis para quitar as luvas do atacante. Por fim, solicitou que o contrato com o novo salário entrasse em vigência apenas a partir de abril.

Os empresários que cuidam da carreira de Rony não aceitaram as condições. Agora, as partes ficaram de conversar novamente no início desta semana, possivelmente hoje, segunda-feira. Mas a renovação do vínculo atual - válido até junho de 2021 - só deve sair caso o acordo inicial, antes da reunião desta última sexta-feira, seja cumprido.

Destaque do Athletico em 2019, Rony esteve muito próximo de assinar com um dos dois gigantes de São Paulo - aqui falando em Corinthians e Palmeiras. Por causa das negociações, ele chegou a ser afastado do elenco principal e treinar com os aspirantes.

O interesse do "Timão" foi descartado pelo atleta, já que o alvinegro paulista não conseguiria cumprir com os prazos e promessas feitas inicialmente.

Rony tem contrato com o
Rony tem contrato com o "Furacão" até 2021.

Já o Palmeiras formalizou duas propostas. O homem forte do futebol palmeirense - Anderson Barros, até viajou a Curitiba para intensificar as conversas. A ideia era melhorar o salário de Rony e convencê-lo através de um ótimo valor em luvas. O Atlhetico receberia 6 milhões de euros por 50% dos direitos do jogador.

A reaproximação entre o "Furacão" e Rony começou a ocorrer a partir do momento em que Mario Celso Petraglia - presidente do Conselho Deliberativo e Paulo André - diretor de futebol, ficaram longe das negociações.

Houve um pedido de desculpas do "Furacão", o jogador acabou reintegrado ao elenco principal e passou a treinar de olho na Supercopa do Brasil, decisão em jogo único contra o Flamengo. Nesta fase da negociação, o atacante recebeu a promessa do mesmo salário ofertado pelo Palmeiras e luvas na casa de US$ 1 milhão - algo próximo a R$ 4,32 milhões, porém, nada ficou acertado até o momento.