Com a confirmação da saída de Vagner Mancini da função de treinador e com necessidade de contratar um novo nome para planejar o grupo de jogadores para 2020, o Atlético Mineiro vê as opções se restringirem. Com Rogério Ceni e Roger Machado tendo confirmado as permanências no Fortaleza e Bahia, respectivamente e Vanderlei Luxemburgo retornando ao Palmeiras, estão cada vez mais escassos os nomes no mercado e o "Galo" quer buscar um profissional vencedor e que gosta de trabalhar com jogadores promissores.

Entre o grande favorito ainda está Jorge Sampaoli, que teria pedido vencimentos na casa dos R$ 2 milhões - uma vez que ele remuneraria alguns integrantes da sua comissão técnica - como auxiliares, preparadores físicos e preparador de goleiro. Além disso, o argentino queria a garantia de investimentos vultosos na contratação de jogadores, algo bem distante da política de austeridade pregada pelo presidente atleticano - Sérgio Sette Câmara.


Com a pouca possibilidade de Sampaoli ser confirmado para o cargo, outro nome no radar alvinegro é Miguel Ángel Ramírez, de apenas 35 anos e que ganhou projeção ao levar o Independiente del Valle ao título da Copa Sul-Americana deste ano. O espanhol deu os primeiros passos como treinador há apenas sete meses, quando assumiu o comando do time equatoriano depois da saída do compatriota Ismael Rescalvo. Por isso, tem apenas 25 partidas em seu currículo.

Miguel Ángel Ramírez iniciou no futebol aos 20 anos, trabalhando na formação de jogadores. Em 2018, depois de passagem de seis temporadas pelo Catar (sempre nas categorias de base), foi contratado pelo Del Valle para trabalhar nas categorias de base e auxiliar. Justamente pela pouca experiência é que Ramírez enfrenta resistência no Galo. Há também o temor de que ele demore a se adaptar ao futebol brasileiro, apesar de outros treinadores estrangeiros terem dado retorno rapidamente, casos do próprio Sampaoli e do português Jorge Jesus - Campeão do Brasileiro e da Copa Libertadores com o Flamengo.

Além desses existe a possibilidade de "velhos medalhões brasileiros" como, por exemplo: Cuca e Mano Menezes, no entanto, esse não é o perfil traçado pela direção atleticana, que quer um profissional com mentalidade nova para buscar em 2020, os títulos que não vieram em 2020.

Em 2020, Galo vai disputar o Campeonato Mineiro, a Copa do Brasil, a Copa Sul-Americana e o Campeonato Brasileiro. Para brigar por conquistas, a diretoria vem trabalhando na reformulação do grupo. Já saíram o goleiro Wilson, o volante Elias, o armador Geuvânio e o atacante Alerrandro, sendo que o volante Vinícius e o armador Luan estão negociando transferência para outros clubes. Já o zagueiro Leonardo Silva vai se aposentar. Por outro lado, o clube contratou o lateral-direito Maílton e deve anunciar o atacante colombiano Dylan Borrero. Além disso, o zagueiro Gabriel retorna de empréstimo ao Botafogo.

Até o fim desta semana algumas situações deverão ser fechadas. Mas tudo será facilitado com a contratação de um novo treinador, que ocupará o lugar que até este mês foi de Vagner Mancini.