O "The Guardian", principal jornal inglês apresentou nesta quinta-feira uma reportagem sobre o papel do Bahia em defesa de causas humanitárias, apontando o clube como o mais progressista do país. A reportagem, assinada pelo jornalista "Joshua Law", lista as diversas campanhas afirmativas do Tricolor Baiano na gestão Guilherme Bellintani, puxando como gancho o manifesto do clube em defesa das praias do Nordeste - há quase um mês, o Bahia entrou em campo para enfrentar o Ceará com a camisa manchada de óleo.

Com o texto: "Como o Bahia se tornou o clube mais progressista do Brasil", a matéria afirma que o clube tem se notabilizado na defesa de grupos minoritários.

"Ao longo dos últimos dois anos, o clube tem desenvolvido uma reputação como o clube mais democrático e socialmente engajado do país, desenvolvendo campanhas para problemas como o racismo, direitos LGBTQ, a demarcação de terras indígenas e o tratamento das torcedoras nos estádios de futebol", diz a reportagem.

A matéria do jornalista acima citado passeia pela história recente do clube, que sofreu durante décadas, passou dois anos na Série C e só agora começa a se reerguer, após passar por um processo de redemocratização no ano de 2013.

A reportagem também destaca o papel do técnico Roger Machado na luta contra o racismo, reproduzindo parte do seu discurso após a partida contra o Fluminense, que viralizou nas redes sociais.

Roger Machado - treinador do Bahia.

O jornal destaca a seguinte colocação do treinador:

"Se, no fim do livro da minha vida, estiver escrito: ‘esse indivíduo ajudou a construir o esporte, mas, acima de tudo, ajudou a usar o esporte como ferramenta de transformação’, eu poderei morrer em paz", disse.

O Bahia neste próximo domingo entra em campo para enfrentar o Palmeiras, na Arena Fonte Nova, em partida válida pelo Brasileirão.