As maiores "Ligas" da Europa são contra as novas proposta apresentadas pela FIFA em relação à expansão do número de países na Copa do Mundo e no modelo sugerido para o Mundial de Clubes.

Segundo o presidente das Ligas Europeia, Lars-Christer Olsson, está na hora da entidade máxima do futebol mundial, pensar um pouco nos jogadores.

"A FIFA parece que está só pensando em expansão. É hora de as pessoas começarem a pensar também um pouco nos jogadores. Eles precisam descansar. Não pode ser só dinheiro que decide como o futebol deve ser organizado", destacou ele.

Conforme foi anunciado há poucos dias atrás, a FIFA planeja expandir a Copa do Mundo para 48 seleções, já a partir do Mundial de 2026, mas não está descartada a possibilidade de ser usado esse novo critério já para a Copa do Mundo de 2022, no Catar. Porém, as associações das "Ligas Europeias" - um grupo de 32 ligas e associações profissionais de 25 países espalhados pela Europa são relativamente contra a essa proposta, uma vez que a mesma irá adicionar dias e partidas ao evento.

"Não estamos preparados para realizar mudanças deste tipo no calendário para expandir a Copa do Mundo de 2022. Já fomos flexíveis em permitir que a Copa do Mundo fosse disputada no inverno e concordamos com as datas, e não estamos preparados para que a duração de uma Copa seja ainda maior", afirmou Olsson, em entrevista ao jornal "Times".

A proposta apresentada pela FIFA deve ser decidida no próximo Congresso da Entidade, em junho. Para o presidente da FIFA, Gianni Infantino, várias empresas estão interessadas em ampliar o Mundial de Clubes, migrando de seu formato atual - com oito equipes, para um evento a ser realizados de quatro em quatro anos, com 24 times.

Algo que também não agrada as "Ligas Europeias", como declarou seu presidente.

"Estão falando também em expandir o Mundial de Clubes, mas temos nossas dúvidas e reservas sérias quanto essa ideia. Repito não se pode somente pensar em dinheiro, tem que pensar nos jogadores, que tem o direito de descansar", finalizou ele.