Dia 31 de janeiro pode ser marcado como o início de mais uma crise no Fluminense - essa é a data em que a "Direção Tricolor" prometeu quitar os salários atrasados com o grupo de jogadores e caso não cumpra, Autuori, que é atualmente o diretor executivo do clube, prometeu pular da "barca", pois acredita que o clima no elenco ficará insustentável.

Vale lembrar que essa não é a primeira vez que Paulo Autuori tomará esse tipo de atitude - se tomar, claro; em 2013 quando estava no Vasco, viveu situação parecida e da mesma forma que agiu com a direção do Fluminense, agiu na época com a direção vascaína. Pois bem, a direção do clube cruz-maltino não cumpriu com que prometeu e Autuori então cumpriu com que havia prometido, deixando o cargo.

Para cumprir com que prometeu, o presidente Pedro Abad espera poder utilizar o dinheiro da venda de Wendel ao Sporting-POR para aliviar as contas com o elenco de jogadores. O Fluminense aguarda até o próximo dia 31 para receber os 7,5 milhões de euros que tem direito sobre a venda de seu jogador. Porém, a justiça poderá bloquear 30% deste valor para o pagamento de impostos atrasados do clube; caso semelhante ao ocorrido em 2013, quando da venda de Wellington Nem, o que dificultará ainda mais a situação do "Tricolor das Laranjeiras".