Segue a discussão quanto à ação judicial movida pelo Flamengo para que seu confronto diante do Palmeiras, pelo Brasileirão fosse adiado. Partida essa realizada neste último domingo após muita indefinição.

Antes da bola rolar normalmente entre Palmeiras x Flamengo, neste último final de semana, em entrevista a rádio mineiro "Itatiaia", o presidente do Atlético-MG - Sergio Sette Câmara criticou a postura da direção flamenguista e cobrou a esta duras penas na área esportiva.

"O Atlético está acompanhado de muitos outros clubes e da própria CBF no sentido de que a medida judicial forçada pelo Flamengo, através desde sindicato, presidido por um funcionário deles, para adiar a partida contra o Palmeiras, não tem o menor fundamento. O Flamengo tem que sim vir a responder na área esportiva. A aplicação da pena, ainda não estou a par de todo o conteúdo, mas implica no banimento do campeonato e o rebaixamento automático para a Série B", declarou o mandatário do "Galo".

Quanto "a um funcionário do clube", Sette Câmara quis se referir a José Pinheiro dos Santos, que faz parte da equipe de segurança do Flamengo, que é o atual presidente do Sindeclubes - Sindicato dos Empregados em Clubes do Estado do Rio de Janeiro. Lembrando que na última sexta-feira o TRT- RJ havia acatado o pedido do sindicato em questão, suspendendo a partida acima citada, mas tal liminar foi derrubada horas antes do confronto após decisão do TST.

Além de se posicionar nas redes sociais a respeito do assunto, o presidente do Atlético-MG neste último domingo também comentou mais a respeito do assunto nesta entrevista a rádio já aqui citada, criticando o uso da Justiça Comum feito pelo Flamengo.

"Acho que está na hora de o futebol tomar algumas medidas. O Flamengo acha que é o melhor que todos. Ele é apenas mais um clube que participa do Campeonato Brasileiro. Os 19 clubes estão alinhados, ao meu sentir. Se o Flamengo quiser ele faz um campeonato sozinho. E nós fazemos o nosso sem eles. Não vai fazer falta alguma", finalizou Sette Câmara.