Nesta última quinta-feira, ficou decidido entre os clubes que disputam a Série A do Brasileirão em conjunto com a CBF, de que cada time para entrar em campo em um jogo pelo campeonato necessita ter pelo menos 13 atletas saudáveis em seus elencos, ou seja, com os testes negativados pela COVID-19. Lembrando que até então não existia esse limite.

Isso se deu por conta do Flamengo, que tem 27 pessoas infectadas pelo Coronavírus registrados até essa última quinta-feira - sendo desses, 13 jogadores, onde mesmo assim a Confederação Brasileira de Futebol manteve o jogo marcado para o próximo domingo, no Maracanã, no entanto, o Rubro-Negro ingressou com um pedido de adiamento junto ao STJD e aguarda pela decisão dos Tribunais.

Lembramos que esse número de 13 jogadores é o mesmo que a UEFA adota em seus torneios para garantir que um time entre em campo e possa disputar os campeonatos.

Nesta mesma reunião, a entidade máxima do futebol no Brasil também propôs o aumento no número de jogadores inscritos para cada clube, subindo dos atuais 40 para 50. Essa medida foi aprovada por unanimidade e agora aguarda por adequação no regulamento para passar a ter valor.

Além disso, essa reunião na verdade foi convocada para discutir a retomada dos torcedores aos estádios e arenas. Onde a mesma "pegou fogo", terminando com insultos entre os dirigentes da CBF - Rogério Caboclo e da FERJ - Rubens Lopes.

A discussão se deu por divergências de ambos, uma vez que Lopes defendia a volta imediata dos torcedores aos estádios - amparado numa decisão do governo do Estado do Rio de Janeiro, enquanto Caboclo ponderava que a maioria dos clubes defendiam a presença dos torcedores nos jogos de futebol somente quando todos pudessem abrir os portões.

A respeito da reunião desta última quinta-feira, a CBF chegou a emitir uma nota oficial; confira uma parte desta:

"A Confederação Brasileira de Futebol - CBF informa que, em reunião por videoconferência com os clubes da Série A do Campeonato Brasileiro e as respectivas Federações Estaduais, realizada nesta quinta-feira - 24 de setembro, para discussão do retorno do público aos estádios, a grande maioria dos participantes se manifestou favorável ao retorno dos torcedores em data e quantidade a serem definidas, desde que de forma isonômica e com permissão das autoridades dos Estados e Municípios correspondentes. O tema ainda será debatido em uma nova reunião".