Com a intenção de socorrer os clubes da Série A do Brasileirão neste momento de crise financeira causada por conta do novo Coronavírus, a Confederação Brasileira de Futebol apresentou uma proposta de linha de crédito no valor de R$ 100 milhões a esses, dos quais, podem receber até R$ 5 milhões.

O valor será repassado sem juros e terá como garantia de devolução os contratos de direitos de transmissão e prêmios por desempenho nas competições. O que na verdade trata-se de um adiantamento das cotas que os clubes têm direito a receber.

De acordo com o jornal "Estadão" de São Paulo, dos 20 clubes da elite do futebol brasileiro, 11 já sinalizaram que irão solicitar o recurso ou indicaram o interesse em avaliar a possibilidade de bater na porta da sede da CBF, no Rio de Janeiro.

A entidade máxima do futebol surgiu com essa iniciativa principalmente pela redução nos valores dos direitos de transmissão pelas emissoras de TV entre abril e junho por conta da paralisação do futebol. Dos 20 clubes da Série A, pelo menos três times admitiram ao jornal paulista o interesse imediato em receber os RS 5 milhões; são eles: Flamengo, Grêmio e Sport.

Clubes brasileiros - imagem: arquivo
Clubes brasileiros - imagem: arquivo

Os grandes clubes brasileiros, assim como também os menores, têm sofrido com os impactos da pandemia não só pela redução das cotas de TV, mas também pela ausência de receitas com as bilheterias e patrocínios. Dentre os times que irão disputar a Serie A do Brasileirão em 2020, apenas o RedBull Bragantino não fez um acordo de redução salarial com seus atletas, as demais conseguiram acordos que variaram entre 20% a 25% nos vencimentos.

Além dos clubes acima citados, Atlético-GO, Bahia, Ceará, Fortaleza, Goiás, Palmeiras, São Paulo e Vasco também estudam a possibilidade de pedirem o recurso junto a Confederação Brasileira de Futebol.

Desses todos, apenas o RedBull Bragantino e o Coritiba não possuem condições de aderir a esse programa, pois ambos não possuem acordos para os direitos de transmissão e por isso não teriam como oferecer garantias para receber a linha de crédito com a CBF. Ambas estavam negociando com a Rede Globo, mas devido à paralisação do futebol no país, as tratativas também foram interrompidas. A Confederação Brasileira de Futebol acredita que todas as equipes aceitem a oferta.