Em reunião para acertar os últimos detalhes a respeito da tabela e de outras questões técnicas da Série A, os clubes rejeitaram a discussão para a proposta de limite de troca de treinadores numa edição de Brasileiro. A reunião contou com a presença dos presidentes e representantes de todos os 20 clubes da Primeira Divisão, onde também foram tratadas outras questões com a direção da CBF.

Entre as principais mudanças para a temporada 2020, está à proibição da venda de mandos de campo, prática recorrente no futebol brasileiro. O presidente da Confederação Brasileira de Futebol - Rogério Caboclo levantou a questão e os clubes discutiram. Sendo aprovada por maioria de votos. O Flamengo se posicionou contra tal proibição, mas foi voto vencido.

O tema foi aberto para votação com possibilidade de um voto intermediário, que seria a permissão para cinco vendas de mando de campo como mandante e um como visitante para cada clube.

Reunião do Conselho na sede da CBF - imagem : CBF.
Reunião do Conselho Técnico na sede da CBF.

Esse foi o resultado:

9 votos pelo veto

7 votos intermediários

4 votos para manter como era

O limite de inscrição caiu de 45 jogadores, com cinco trocas, para 40 - com troca de oito atletas até o dia 11 de setembro. A data limite para a inscrição do número acima citado de atletas vai até 14 de agosto.

Vale ressaltar que no regulamento também consta a aprovação do uso de grama sintética pelos clubes. Além do Athletico, o Palmeiras também vai estrear o gramado artificial na edição do Brasileiro de 2020.

A questão de troca de treinadores é polêmica. Os clubes entendem que se trataria de ingerência na administração interna. A própria CBF tem histórico de demissões de técnicos nos últimos anos. Em 2020, cinco treinadores da Série A já foram demitidos. Cristóvão Borges - do Atlético-GO, Rafael Dudamel - do Atlético-MG, Argel Fucks - do Ceará, Alberto Valentim - no Botafogo e Guto Ferreira - do Sport.